SOBRE

O Autor

Meu nome é Augusto e nasci no interior de uma cidadezinha do PR na década de 60, pouco meses antes do homem pisar na Lua. 

Na década de 80 toda a minha família mudou para a cidade de SP e aqui me formei em cursos técnicos do ensino médio na área de engenharia, mas percebi que não era a minha área de atuação – nunca gostei de Física e Química. 
O que eu curtia mesmo era o contato com a Natureza e com isso dei uma mudada radical nos meus estudos. Depois dos cursos técnicos fui estudar Geografia na FFLCH (Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas) da USP de São Paulo na década de 90. 
E o curso tinha tudo a ver com o que eu gostava de fazer e ao término dele, resolvi prestar alguns concursos no serviço público, passando em alguns e exercendo a função desde então.

As minhas primeiras caminhadas aqui em SP foram ao longo da década de 80 e 90 na Serra do Mar, na região de Paranapiacaba, já que o acesso era fácil e o trem chegava até a pequena Vila. 

Naquela época era “moda” as caminhadas até a Cachoeira da Pedra Lisa, o Poço das Moças e a muitas outras cachoeiras, assim como os campings selvagens nas trilhas. 
Durante algum tempo foi a minha diversão aos finais de semana e feriados, mas com o surgimentos dos roubos nas trilhas, a partir do final da década de 90, nunca mais voltei. 
Só fui retornar para essa região em 2013 e aqui no blog já postei alguns relatos de caminhadas por lá.

O blog eu comecei em 2005 no antigo site do Multiply, com o endereço: http://agsts.multiply.com.

Mas como era uma página que continha fotos e textos sem limite de hospedagem, não durou muito e com isso o site foi fechado, tendo que transferir todo o conteúdo aqui para o Blogspot, onde mantenho essa página desde 2011. 
Ela começou bem pequena, somente por diversão e hoje em dia é o meu passatempo. Sempre que posso, estou atualizando com informações recentes ou acrescentando novos relatos de trilhas. 
Essa é a única forma de contato que eu mantenho com esse mundo virtual, já que não tenho página no Facebook, Twitter e tampouco no Instagram. 

Tanto no meu blog antigo, quanto nesse novo, sempre fui adepto do compartilhamento de informações de trilhas. Procurei sempre postar o maior número de informações e dicas possíveis para que alguém possa repetir a trilha que eu fiz. Nada mais justo do que disponibilizar essa informação, já que eu também a recebi de outras pessoas, seja através da internet ou de listas de e-mails. 

Com o nascimento da minha filha Sophia, resolvi incluir no blog algumas trips para lugares mais tranquilos e turísticos que faço com ela. Foi uma maneira de manter o blog atualizado, já que diminuí bastante a quantidade de trilhas que estava fazendo, mas sempre surge uma oportunidade de caminhada ao longo do ano.
E assim vou mantendo o blog com o mesmo espírito de quando criei a página lá no antigo Multiply.

Na minha paixão pelo trekking, fui editor do Fórum Mochileiros, onde é possível encontrar muitos relatos meus por lá, assim como muita postagem com dicas e informações de caminhadas.
 
Em 2013 dei uma entrevista para o Site Mochila Brasil, que é o criador do Fórum Mochileiros. 
Quem me conhece somente pelos relatos aqui do blog, pode saber um pouco mais de mim, o que eu penso sobre certas coisas, algumas ideias e futuras trips:
www.mochilabrasil.uol.com.br/entrevistas/entrevista-com-o-montanhista-augusto-carvalho

Nas horas livres, quando não estou fazendo caminhadas, vou ao cinema ou assisto um filme em casa ou até algum passeio com minha filha. 
Para dar uma desenferrujada, tenho a minha bike e quase todo fim de semana saio com ela. 
Não sou uma pessoa de preencher o tempo com a ociosidade. Ele é muito precioso e devemos gastá-lo com o que nos interessa e assim vou levando a vida. 
Eu uso muito uma frase que é a minha inspiração: 
Aproveite cada momento de sua vida. Não sabemos o que vai acontecer amanhã.
Por isso vá atrás dos seus sonhos e nunca deixe para o dia seguinte o que você pode fazer hoje.



Política do Blog 
  
O Blog Trilhas e Trips foi criado com a finalidade de postar relatos de todas as minhas caminhadas por trilhas e de algumas viagens em família. É uma maneira de que eles possam ser úteis a outras pessoas. 
Mas quero deixar claro que as informações presentes nessas narrativas não devem ser utilizadas como única fonte de pesquisa para uma eventual caminhada. Os riscos sempre existem, por isso os relatos são dirigidos para quem já possui um mínimo de experiência em trilhas.
O autor do Blog Trilhas e Trips não se responsabiliza por eventual acidente que possa vir a ocorrer ou qualquer tipo de dano sofrido pela pessoa que fez uso do relato postado aqui, assim como não se responsabiliza direta ou indiretamente por atos ilícitos, isto é, ações que contrariam as leis praticados por alguém que esteja usando o relato, como invasões de propriedades particulares ou desrespeitos às normas e regras de Unidades de Conservação.
 

O Blog não faz parte e nem se relaciona com nenhuma agencia ligada à trekking/caminhadas, assim como não tem objetivo de ganhar dinheiro com isso usando o nome Trilhas e Trips.
As informações presentes nos relatos são apenas da experiência do autor e se mesmo assim surgirem dúvidas, recomendo que procure ajuda de um profissional (um guia de trilha).

O Blog não possui fins lucrativos, não dispondo de links patrocinados ou banners administrados pelo Google.
E caso queira usar os textos ou as fotos em algum outro blog, redes sociais ou reportagens com fins jornalísticos, apenas peço que cite a fonte, dando o devido crédito ao autor juntamente com o link do conteúdo que se está copiando ou o endereço do blog.

Os comentários postados no blog não são moderados e só peço que não publiquem links com spams ou propagandas que não tenham nada a ver com o assunto do Blog, haja vista que são inúmeras pessoas que fazem uso das informações postadas aqui para o planejamento de uma eventual caminhada.
E esses comentários postados ao final dos relatos são de inteira e exclusiva responsabilidade do autor que a escreveu e não representam a opinião do criador do Blog.

Se tiver quaisquer outras dúvidas ou quer entrar em contato comigo, pode postar nos comentários dessa página e deixar seu e-mail.
Assim que possível entro em contato.
 

51 comentários:

  1. Parabéns Augusto, já acompanhava suas aventuras no outro site, o que me incentivou, ainda mais a fazer um blog onde também relato minhas caminhadas por trilhas aqui no Rio (RJ). caso vc tenha um tempinho e possa dar uma prestigiada, taí o link.

    http://rmmtrilhas.blogspot.com.br/

    abç

    Renato Monsores

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Parabéns Renato.
      Muito bom seu blog.
      Vcs que moram no Rio são privilegiados.
      Não precisam de muito esforço p/ fazerem belas caminhadas.
      A cidade está repleta de opções. Dá p/ fazer uma caminhada diferente por dia.

      Gde abc

      Excluir
  2. fala augusto parabens pelas viagem....vc conhece IBITIPOCA MG,,,,gostaria de passar minhas ferias de 06/01/2014,,por lá.....gostaria de ficar acampado ,,,,,vc conhece os camping,,,,pois queria ficar em um camping que fosse na reserva ou proximo a reserva,,,,e que tenha algum mercado,,bar ,,,,pra comprar comida,,,,na reserva não sei se tem,,,e na vila ...não sei se fica longe da reserva....então o meu medo basicamente seria ficar na reserva e longe de mercados,,,,ou ficar na vila e ficar longe da reserva,,,outra coisa vc sabe como faço pra ir d onibus de piraracicaba interior de são paulo, ate lá............valeu obrigado,,,,,gostaria se possivel que vc respondesse por email,,, mjcanale@gmail.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ola Mauricio.

      O Camping do Parque fica próximo das trilhas. Tem uma infraestrutura de dar inveja. Não dá para reclamar. Mas o grande problema é que o parque não aceita reserva. É chegar no parque e torcer p/ que o camping não esteja cheio. Senão terá de voltar à Vila.
      Eu preferi ficar em pousada na Vila de Ibitipoca.
      Se conseguir ficar no camping do parque, outro problema. Ele fica um pouco longe da Vila e é uma subida muito íngreme até lá com caminhada bem longa. De vez em quando dá p/ ir de carona.

      Qto a Ficar na Reserva de Ibitipoca, eu não recomendaria de jeito nenhum. Ela fica bem longe da Vila e mais longe ainda do Parque. Tá longe de tudo, na verdade.
      A Reserva fica na estrada que liga Lima Duarte a Vila de Ibitipoca e da Reserva até a Vila são uns 8 Km por trechos de serra e muitos íngremes. Não vale a pena.
      Teria de contar com carona ou somente com o circular.
      Eu se fosse vc faria o seguinte: ao chegar na Vila de Ibitipoca, ligaria no Parque p/ saber se tem vaga no camping ou não. Se já estiver cheio ficaria em campings na Vila de Ibitipoca.

      De Piracicaba creio que a melhor opção é o ônibus da Cometa direto p/ Caxambu/MG. No relato eu coloquei toda a logística saindo de Caxambu até Ibitipoca.

      Boa sorte.

      Abcs

      PS: Postei essa resposta também na sua pagina do Google +

      Excluir
  3. Parabens Augusto, adorei seu blog!
    Por um acaso que achei, e por um acaso também estou pretendendo criar um blog para divulgas as viagens, trilhas e etc...
    Fiquei mais animada depois que vi seu blog
    Ótimo trabalho!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Lilian. Obrigado.
      Levei um bom tempo p/ deixar o blog desse jeito.
      Nem sabia como mexer nessas ferramentas do blogger, mas fui quebrando cabeça aqui ou ali.
      Se precisar de alguma ajuda, é só perguntar.

      Abcs

      Excluir
  4. Boa tarde Augusto!

    Eu tenho muita vontade de fazer essa trilha...mas não tenho grupo e não sei nem onde encontrar pessoas que queiram encarar essa aventura rs....
    Poderia me indicar grupos, dicas...ou se vc mesmo fará novamente.....

    Parabéns pelo blog.

    Abç.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Evelyn.

      Sobre qual trilha vc está se referindo?
      Veja o relato que vc está se referindo e no final dele tem um espaço p/ vc comentar.
      Assim fica mais fácil te responder.
      Normalmente as pessoas com quem faço trilhas são as que eu encontro nessas caminhadas.
      A gente vai fazendo amizade, troca e-mail e aí marca uma trilha ou outra.
      Ou através de fóruns também.

      Valeu.

      Excluir
  5. Parabéns Augusto. Gostei muito do Blog.
    Sou amante da natureza e começar a conhecer as linhas ferreas, Paranapiacaba, Passa Quatro etc.
    Procuro apenas uma compania para começar rss

    Grande abraço e fortes aventuras.

    ResponderExcluir
  6. Blz Cristiano.
    Comigo não tem tempo ruim não.
    Já fiz inumeras trilhas sozinhos e muitas em dias de semana.
    Quando eu marco uma caminhada, se alguém quiser acompanhar, tudo bem.
    Mas se não encontrar ninguém, vou sozinho mesmo.
    Eu não acho que arranjar uma cia p/ uma trilha seja um empecilho para uma caminhada.

    Só procuro não arriscar em uma trilha muito dificil e inédita sozinho.
    Caminhadas por linhas férreas são as mais tranquilas que existem, já que basta seguir pela linha do trem.
    Não tem erro.

    Boa sorte.


    Abcs

    ResponderExcluir
  7. Augusto, tubo bom?
    Fiquei com uma dúvida na sua travessia Lapinha x Tabuleiro.
    Você inicia a travessia por volta do meio dia, as 18h chega no Pico do Breu.
    Na parte que chegam no Pico do Breu, vocês não acampam por falta de água, atravessam a prainha (porque não pode acampar) e acampam. Pois seu intuito é que no dia seguinte você chegue ao topo da cachoeira do Tabuleiro.
    Quantos dias você fez a travessia, 2 ou 3??
    Muito grata pelas dicas.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Rafaela, tudo bem?

      Os tempos que vc citou são próximos, mas nós saímos exatamente da Lapinha pouco minutos antes das 13:00 hrs e chegamos ao topo do Pico do Breu pouco minutos depois das 17h30min.
      Nossa intenção era descer do Pico do Breu e seguir para casa da D. Ana Benta, porque no dia seguinte já estávamos com tempo bem apertado, já que iriamos para o topo da Cachoeira do Tabuleiro.
      Mas estava muito escuro e achamos que era até arriscado só caminhar com as lanternas por isso acampamos na Prainha naquela noite.
      O que a D. Ana Benta disse para nós é que não é permitido o camping durantes alguns dias na Prainha. Acampar só a noite e sair pela manhã não tem nenhum problema, até porque eles não tem como fiscalizar.
      E ao lado da Prainha tinha o rio que era perfeito para tomarmos um banho e usarmos a água para o jantar.
      Nossa intenção era no dia seguinte chegar ao topo da cachoeira do Tabuleiro, por isso queríamos chegar o mais próximo possível da casa da D. Ana Benta e no final mesmo acampando na Prainha, deu tempo.
      Fizemos a travessia em 3 dias, acampando na Prainha e na casa da D. Maria e Seu Zé.
      Muitos que fazem essa travessia recomenda que se faça a caminhada dessa forma mesmo.
      Até para não cansar muito.

      Abcs

      Excluir
  8. Olá Augusto, tudo bem?

    Pretendo fazer a volta na Ilha em Janeiro e gostaria de uma opinião sua, por gentileza.

    Pretendo levar o conjunto da Kampa (Rede-Mosquiteiro-Tarp). Pela sua experiência de travessia na Ilha, é possivel pernoitar nas localidades, como campings e casa de pescadores, usando esta opção?

    Obrigado

    Abraço,
    Cauê

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. E aí Cauê, blz?
      Não encontramos dificuldades em conseguir campings ou lugares para montar nossas barracas.
      Alguns moradores também disseram para gente que é facil encontrar quintais de moradores para um camping improvisado.
      E creio que isso também se aplica a quem levar uma rede.
      Em campings estruturados talvez seja até mais fácil.

      Mas lembre-se que vc estará indo na alta temporada e o IF pode querer complicar a vida dos mochileiros que estarão saindo do Abraão.
      Já li relatos de que os fiscais não estavam deixando a galera sair do Abraão com destino ao Saco do Céu com mochilas cargueiras. Atente a isso.

      Uma última opção é montar a rede junto da trilha durante a noite e sair bem de manhazinha, sem que ninguém perceba.

      E pode ir tranquilo. Sempre dá para encontrar um local para montar a rede.


      Abcs e boa volta da Ilha.

      Excluir
  9. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  10. Augusto,

    Chamo-me Alan de Jesus, sou jornalista e trabalho para a Revista Magazine Turismo, periódico distribuído na Região Serrana do Rio de Janeiro. Gostaria de marcar uma entrevista com você sobre sua experiência na Serra dos Órgãos. Meus contatos são: e-mail: alanjp.jornalista@gmail.com / Fone: (21) 969719897. Aguardo retorno.

    Att

    Alan de Jesus

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Alan, tudo bom.

      Desculpe a demora em te responder.
      É que estava com um grupo fazendo várias trips pela Venezuela e em Manaus/AM.
      Em breve posto um relato aqui no blog.

      Qto a sua pergunta, não sei se posso te ajudar, já que eu fiz essa travessia da Serra dos Órgãos a muito tempo atras.
      Em 2000 e em 2001.

      Mas se quiser assim mesmo, posso te ajudar sem problemas.

      Abcs

      Excluir
  11. Ola Augusto!
    Muito bom seu blog e muito informativo, parabéns! Eu e alguns amigos estamos planejando um trekking ja realizado por voce, mas ainda precisamos de algumas informações mais precisas. Poderia entrar em contato por email (diebarros@uol.com.br) ou passar o seu? Obrigado, Adhemar

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Adhemar.
      Já enviei uma mensagem no meu e-mail, mas quando tiver dúvidas, não se envergonhe de postar aqui.
      Sua dúvida pode ser a mesma de outras pessoas e as respostas podem ser úteis para quem queira repetir a mesma trilha.
      Esse é o espirito.


      Abcs

      Excluir
  12. Oi Augusto! Queria parabenizar pelo blog. Li o seu relato da Serra Fina e o usei de guia para fazer a travessia neste último final de semana. Muito obrigada hehehe. Algumas coisas estao diferentes (há cordas em alguns trechos, fitas novas etc), mas em geral ela foi bem detalhada e uma ótima referência para nós. Acabamos perdendo a trilha da Pedra da Mina também (acho q é karma sei lá hahaha) e igualmente enfrentamos chuva e nevoeiro, mas conseguimos voltar a ela 2h dps... e ainda chegamos nos 3 estados antes de escurecer hehehe. Aqueles capim-elefante sao mesmo do mal! Enfim, é isso. Acho q vou voltar a recorrer ao seu blog em breve =]

    ResponderExcluir
  13. Oi DarkGabi.

    Que bom que deu tudo certo nessa travessia. E com essas melhorias que vc encontrou até facilita para todo mundo.
    Se baixar o nevoeiro ou cair chuva ali na Pedra da Mina não dá p/ fazer muita coisa.
    É muito arriscado seguir na trilha.
    É melhor perder 1 dia ali p/ depois continuar com tempo bom.
    Mas o que atrapalha nessa travessia é o capim elefante e os bambuzinhos.
    Sempre saí dessa travessia com os dedos das mãos cortados e mochila bem arranhada.
    Mas valeu a pena.

    Pode usar à vontade os relatos e quando precisar de ajuda, é só perguntar.

    Abcs

    ResponderExcluir
  14. Augusto, eu tenho acompanhado diversos de seus posts. Muitos deles me levaram a fazer diversas trilhas, principalmente aqui na Mantiqueira. Aprecio muito o seu trabalho e a dedicação com que escreve todos os detalhes das suas andanças. Parabéns mesmo!!! Sei que vc não tem Facebook, mas gostaria de solicitar um contato para trocar umas idéias com você sobre caminhadas nos Andes. Por favor, me mande um e-mai: pedro.santos.jr@hotmail.com, Abração;

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Pedro, blz?

      Não curto muito caminhada em região de neve ou com temperaturas muito baixas, viu.
      Aqui no Brasil tenho inumeras caminhadas planejadas p/ fazer em lugares que ainda não conheço.

      Não sei se posso te ajudar, mas te enviei uma mensagem para vc.
      Dê uma olhada na sua caixa de e-mails.


      Abcs

      Excluir
  15. Boa tarde Augusto. Primeiramente parabéns pelo seu blog!! Muito interessante!!
    Desejo saber informações sobre a Trilha do Ouro que vai São Jose do Barreiro até Paraty. O track log que você postou no WikiLoc é de 2010, posso confiar nele? Ainda vale para hoje, ou algo foi alterado na travessia?
    E-mail para contato: murilo.livio@gmail.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ola Murilo.
      Essa Trilha do Ouro, que inicia em S. José do Barreiro é quase toda feita em antigas estradas de terra.
      Não creio que vc terá problemas não, apesar do tracklog ser um pouco velho.
      Pessoas que fazem essa caminhada relatam que o único ponto que pode confundir um pouco é uns 30 minutos depois da Pousada Barreirinha, onde a estrada se divide em duas.
      A principal continua seguindo para a esquerda e a continuação da Trilha do Ouro é a da direita.
      Outro ponto que merece atenção é quando chegar no Camping/Pousada do Zé Candido e D. Vera - pode ser que a pequena ponte sobre o Rio Mambucaba esteja em outro local, mas não é difícil de encontrá-la.
      Se tiver dúvidas quando chegar ali é só cruzar o rio e perguntar na pousada a continuação da trilha.
      Só a partir dali é que vc seguirá por trilha em meio à mata atlântica, que é bem demarcada e sem bifurcações.
      Dê uma lida no relato dessa travessia. Se mesmo com o tracklog vc tiver dúvidas, o relato pode te ajudar.
      Valeu pelos parabéns.
      Precisando de mais informações dessa trilha ou de outras postadas aqui, pode perguntar à vontade.

      Abcs

      Excluir
  16. Augusto, tudo bom?
    Estou querendo ir em abril ao Monte Roraima e Santo Algel. Aproveitar que estarei em Manaus.
    Gostaria de saber como fez.
    Foi ao Monte e depois a cachoeira ou vice e versa? Foi com o mesmo guia?

    Abraços e Gratidão imensa por seus relatos.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Rafaela, tudo bem?
      Eu escrevi 4 relatos bem detalhados quando fui para Venezuela.
      Fizemos Roraima, Salto Angel, Gran Sabana e no retorno ficamos alguns dias em Manaus.
      Começamos pelo Monte Roraima e depois seguimos para Salto Angel.
      Fomos com guias que já tínhamos contatados antecipadamente.
      Tanto no Roraima qto em Salto Angel.
      Como são muitas informações e detalhes, peço que dê uma lida nesses relatos.
      São bem extensos eu sei, mas com certeza serão muito úteis para vc.
      E se depois tiver mais dúvidas, pode postar nos comentários.
      A trip começa nesse relato:
      http://trilhasetrips.blogspot.com.br/2015/02/relato-expedicao-monte-roraima.html

      Abcs

      Excluir
  17. Parabéns pelo blogue, sensacional! Não deixe de escrever, os relatos são muito bons!

    ResponderExcluir
  18. Obrigado pelas palavras e pelo incentivo.
    Época de verão não é uma boa fazer caminhadas, devido as chuvas.
    Trilhas mesmo só no litoral.
    E mesmo assim, o clima não ajuda muito
    A não ser que dê sorte.
    Mas se surgir uma oportunidade ainda pretendo fazer alguma coisa no litoral.


    Abcs

    ResponderExcluir
  19. Cara que achado seu blog. Também sou blogueiro e reconheço um bom trabalho quando vejo. Parabéns.Aliás ele tem alguma relação com seu conteúdo e um post seu seria muito bem vindo. E para os adeptos do trekking e/ou caminhada uma dica escolham bem seu tênis e boa trilha.

    Att,

    Eli Braz
    http://sotenisdemarca.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Blz Eli.
      Valeu pelas palavras.
      Não quero englobar mais coisas no blog, porque não teria tempo para mante-lo com bons textos.
      Aqui é só um passatempo. Uma diversão.
      Qdo criasse postagens acerca de acessórios ligados ao trekking, eu teria de escrever muita coisa.
      Além é claro da necessidade de ter certo conhecimento em alguns temas.
      Então prefiro me ater aos relatos.
      É melhor deixar esses assuntos para quem tem mais experiencia que eu.
      E agradeço pelo elogio.

      Abcs

      Excluir
  20. Olá Augusto, tudo bem?
    Estou planejando uma viagem com o roteiro: Ilha Grande, Paraty e Praia do sono/trindade. Vi no mochileiros que você tem bastante experiencias. Podemos conversar via e-mail?
    Agradeço se puder enviar à mim. jessica.momm@hotmail.com

    Obrigada
    Jessica

    ResponderExcluir
  21. Ok.
    Já te enviei mensagem lá.
    Abcs

    ResponderExcluir
  22. Olá J. Augusto, peguei uma trilha sua no wikiloc, Itumirim - Carrancas, coloquei ela no GPS e irei fazer ela nesse feriado de Abril de Lua Cheia, você tem algumas consideracoes sobre ela pra fazer? pensei em fazer com meu cachorro. em termos de periculosidade, se possivel, vamos trocar emails para me falar sobre essa trilha? meu email é filipe.strindade@gmail.com. grato desde ja,
    Filipe Trindade

    ResponderExcluir
  23. Blz Filipe.

    A minha sugestão para quem pretende repetir a Itumirim-Carrancas é não evitar aquele trecho que une as Serras do Galinheiro e Carrancas.
    Se dispor de tempo, faça esse trecho. É lindo.
    Só não fiz devido ao meu tempo apertado.
    Quando chegar na Fazenda do Sr Carlos Roberto, ele pode te ajudar a achar a continuação da trilha.
    Depois que voltei de lá, vi que não era difícil.
    Dá para ve-la atá no google maps.
    Como é uma serra sem muita declividade, acho que um cachorro dá p/ levar.
    Qqer outra duvida, dê uma olhada no relato.
    http://trilhasetrips.blogspot.com.br/2015/08/relato-travessia-itumirim-carrancas-mg.html
    Ou poste duvidas por lá.
    As vezes, suas perguntas podem ser uteis p/ outras pessoas que querem fazer essa travessia também.

    Abcs

    ResponderExcluir
  24. Olá Augusto, muito obrigado, esse trecho que voçe está falando é o trecho que sua trilha acaba saindo do "Z"? que ai você desce a serra e sobe novamente, correto? Pensei em fazer essa parte mesmo!! vou levar o dog sim!! e a Lua está excepcional. Muito obrigado!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É nesse local que tem o famoso portal das 7 Pedras! realmente vou incluir noi trajeto.

      Excluir
  25. Sim, é isso mesmo Filipe.
    Ali é o cotovelo do "Z".
    Vale a pena incluir esse trecho e com isso dá para passar pelo portal.
    Aproveite enquanto esse clima ta ajudando.
    Abcs

    ResponderExcluir
  26. Bom dia
    Gostaria de falar com você sobre uma caminhada longa que pretendo fazer.
    Poderia me encaminhar um e-mail para falarmos?
    Abraços
    Claudio (claudiotafla@gmail.com)

    ResponderExcluir
  27. E aí Augusto , Blz?? Só estou passando, além ,de dizer se td está bem , para reforçar aquele contato que tivemos à respeito de uma trilha que Vc quer fazer na região do Pico do Garrafão .Só confirmando , tô dentro !! Assim que tiver alguma novidade , faça contato.Abç.Selva!!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Blz Milton.
      Pode ficar sossegado. Se fizer a trilha que tô planejando, vc tá na lista.
      Só tô evitando ir agora, por causa do clima.
      Quero evitar o tempo que eu peguei qdo fui lá no Garrafão.

      Abcs

      Excluir
    2. Blz Milton.
      Deixe seu e-mail aqui.
      Tô vendo alguns fds para fazer uma caminhada na região da serra do mar de Bertioga.
      Mas vai depender do clima.
      Entro em contato.

      Abcs

      Excluir
  28. Olá Augusto! Sempre fui fã do Sérgio Beck (tenho os roteiros dele ainda da época em que eram datilografados, hehehe) e já li todos os livros daquele cara (fiz 50 anos em fevereiro). Vendo seu blog aqui... acho que vc é o sucessor dele (tome isso como um elogio). Parabéns! Sou militar do Exército, agora na reserva. Moro em Taubaté, no sopé da Mantiqueira, desde os anos 1990. Uma vez o Beck falou da tal "transmantiqueira", aquela trilha no estilo "apalaches" americana, que uniria os principais trekkings da serra numa grande e longa trilha (inevitavelmente cruzando estradas de asfalto ou percorrendo trechos de estrada de terra). Estou fazendo um planejamento em cartas topográficas e Google Earth tentando unir estas trilhas (quem sabe até abrindo outras). Dividi de Monte Verde até Aiuruoca (ou Mirantão) em 5 setores e levantei algumas informações dali. Achei vc no SETOR 02, entre São Bento do Sapucaí e Piquete, num tracklog passando pela fazenda Céu Estrelado e São José dos Alpes (entre outras). Ainda não fui lá... iria nesse fim de semana reconhecer este trecho mas um amigo não pode ir (tá difícil achar gente com coragem pra encarar a missão, hehehe). Bem, se quiser receber no seu email as marcações que fiz dessa trilha no Google Earth e dar uma opinião (ou quem sabe até fazermos uns trechos juntos), deixo aqui o meu contato = luizaragao66@icloud.com = Sei que um cara, o Pablo já fez correndo (estilo corrida de aventura) há alguns anos mas a minha rota seria um pouco diferente, evitando as estradas de terra, etc. ah! fiz um site de uma viagem com a família assim que fui pra reserva, em 2013 (ficamos mochilando por 2 anos pela Ásia e EUA, além de mim, esposa e filho de 5 anos, na época) = www.familiademochila.com = lá fala um pouco de nós. Abraços e parabéns pelo Blog! Luiz Aragão

    ResponderExcluir
  29. Oi Luiz, tudo bom?
    Agradeço muito pelo elogio. Um p. elogio.
    Obrigado.
    Sérgio Beck sempre foi uma referencia para mim. Ele colaborou muito para o montanhismo.
    E não foi só no trekking.
    Meu primeiro contato com ele foi qdo era editor de algumas revistas na decada de 90.
    Caminhos da Aventura foi minha primeira leitura dele e hoje guardo como reliquia, apesar de que não estar em bom estado. kkkkkk.
    Um sucessor dele???
    Tremenda responsabilidade hein. Tenho de caminhar muito ainda.
    Sou apenas 1 reles trilheiro, que compartilha suas caminhadas.
    Valeu mesmo pelo elogio.

    Qdo fiz a Transmantiqueira (do Pico do Marins até Maromba) em 2003 pesquisei muito para ver se conseguia faze-la a mais longa possível.
    Mas cheguei a conclusão que teria de caminhar por muitas estradas de terra e isso eu não queria.
    As informações que eu tenho arquivadas e que podem ser úteis a vc são essas:
    Saindo de Monte Verde infelizmente vc só vai caminhar por estradas de terra e na minha opinião vale a pena finalizar em Sto Antonio do Pinhal (fiz parte desse trecho de moto).
    Têm umas estradas próximas da crista que passam perto do Pico Agudo.
    Dali eu sugeriria vc descer até Piracuama (em Pinda) e depois subir a serra pela Trilha das Oliveiras até chegar no Pico do Itapeva e de lá seguir pelo Sertão das Moreiras, finalizando na Fazenda Céu Estrelado. Eu evitaria a todo custo passar por dentro da cidade de Campos.
    Dali para frente é só estradas e vc terá de chegar na Fazenda do Charco pela crista.
    E aí vc teria 2 opções: seguir por estradas até o Pico Marins ou tentar repetir o caminho que eu fiz nesse relato:
    http://trilhasetrips.blogspot.com.br/2013/04/relato-travessia-do-pico-do-carrasco-de.html
    Mas não será facil, porque o mato tomou conta.
    E do Marins para frente é mais tranquilo, já que não tem opção. É um caminho só.

    Depois te mando e-mail.
    Com mais calma vou dar uma lida no seu blog. Gostei dele.
    Muita coisa hein e boas informações e dicas.
    Parabéns.

    Valeu.

    Abcs

    ResponderExcluir
  30. Boa tarde, augusto... meu nome é jonatas, participo do clube dos desbravadores... estamos participando de um evento chamado medalha de bronze, é um dos requisitos é fazer uma trilha de 20 km no meio da mata... ai vi seu blog.. gostaria de saber se você recomenda alguma trilha de 20 km de fácil acesso para quem mora na cidade de são paulo, e pra minha equipe conhecer lugares novos...

    ResponderExcluir
  31. Blz Jônatas.
    Trilha de 20 Km com acesso fácil só na Serra do Mar.
    Em Paranapiacaba qqer trilha que desça a serra tem por volta de 10 Km.
    Então somando descida por uma trilha e subida por outra, da para chegar aos 20 Km.
    Uma trilha só de 20 Km vc encontra na Mantiqueira.
    E são puxadas, mas tem de monte.
    Ilhabela também tem algumas.
    Bonete-Castelhanos.
    Tem a Joatinga com Mamangua em Paraty.
    Parte da Trilha do Ouro, na Bocaina ou a Pedra da Bacia lá também.
    Tem uma infinidade.
    Vai depender em que tipo de trilha vao caminhar.

    Boa sorte.


    Abcd

    ResponderExcluir
  32. Augusto bom dia, por acaso você tem arquivos da Trilha do Telégrafo e do Corisco em GPS para o Google Earth?

    Grato


    ResponderExcluir
  33. Oi, tudo bem?
    A Trilha do Telegrafo não consegui completa-la. Mas volto lá algum dia.
    Qto a Trilha do Corisco, quando fiz ela não levei GPS para criar um tracklog. Mas no Wikiloc vc encontra alguns tracklogs bem recentes dela.
    Boa sorte.

    ResponderExcluir
  34. Olá, Augusto.

    Tenho um GPS Garmin 60csx.

    Pode me ensinar como colocar um mapa, no gps, com curvas de nível?

    nicolasajalmeida@yahoo.com.br

    Parabéns pelo trabalho!

    Obrigado!

    ResponderExcluir
  35. Blz Nicolas.
    Eu não uso esses GPS tradicionais.
    Nas minhas caminhadas mais recentes levo sempre o celular com um app para GPS.
    São muito simples, tanto para navegar, usando um tracklog, quanto para gravar uma trilha.
    Se tiver alguma duvida eu te ajudaria, mas com os GPS normais fico te devendo.

    Abcs

    ResponderExcluir