1 de julho de 2014

Relato: Como é assistir um jogo da Copa do Mundo FIFA 2014 na Arena Corinthians - São Paulo

Aos que acompanham o blog, me desculpem pelo post bem diferente dos que estou acostumado a escrever, mas não poderia deixar de postar aqui um relato de um Jogo da Copa do Mundo de 2014, que talvez só meus filhos ou netos possam ver ao vivo algum dia.
Em Outubro de 2013, quando se iniciou a primeira fase de vendas dos ingressos para a Copa do Mundo, fiz o cadastro no site da FIFA usando toda a minha família e a da minha esposa. Chegou a quase 10 cadastros e em todos eles solicitei ingressos somente para jogos aqui em SP, na Arena Corinthians.
E acho que dei sorte porque consegui 2 ingressos para o jogo do dia 26 de Junho (um para mim e outro para minha esposa). Queria a abertura, mas não deu. Paciência.
Na época nem sabia quem iria jogar nesse dia, mas fiquei feliz assim mesmo.
Depois do sorteio das chaves, no início de dezembro é que fiquei sabendo que o jogo que iria assistir em SP seria Bélgica x Coréia do Sul, as 17:00 hrs. 
Em outras etapas de vendas, cheguei a varar madrugadas tentando comprar outros jogos aqui em SP, mas não consegui em nenhum momento. 
Bélgica e Coréia não dá para se comparar com jogos das Alemanha, Holanda, Argentina ou até um Brasil, mas aí seria pedir demais.
Mas só a emoção de estar ali no meio das torcidas dos 2 países já valia o ingresso.


Foto acima tirada de onde estávamos sentados observando o aquecimento dos jogadores





Todas as fotos: clique aqui





Dividi o texto pelos tópicos: Organização, Estádio, Jogo e Avaliação Geral e neles relato a minha impressão do que é estar em um estádio da Copa do Mundo.


Organização
Passando ao lado da COHAB I
Como moramos na Zona Leste de SP, para chegar no estádio foi bem fácil. Eu e a Márcia pegamos o metrô na Estação Penha pouco depois das 13:00 hrs e já encontramos inúmeros torcedores com camisetas do Brasil.
Tentamos manter uma conversa com 2 torcedores da Coréia, mas ficou a impressão de que só falavam coreano. 
Desde a saída da estação Artur Alvim do Metrô, eram vários funcionários e voluntários da FIFA que orientavam para onde os torcedores deveriam seguir. Engraçado que existiam até alguns voluntários coreanos que falavam na língua deles. Surpreendente. 
Seguindo pela nova calçada

E a segurança também, sem palavras.
Era PM, Guarda Civil e até pessoal do Exército nas ruas próximas da estação Artur Alvim.
Passamos por duas barreiras para checagem dos ingressos. Quem não tinha, nem passava.
Foram pouco mais de 1 Km desde a Estação até o Estádio.
A Avenida Radial Leste estava interditada e totalmente deserta, mas o caminho que os torcedores seguiam era por uma espécie de "calçada" um pouco mais larga ao lado da Radial.
Nesse trecho deu para notar que os caras terminaram às pressas esse trecho. Os corrimãos presos no chão com poucos parafusos ou um tipo de Durepox; inúmeras ferragens expostas junto ao final da passarela sobre a Radial Leste. 
Chegando no estádio
Coisa bonita de se ver foram os grafites ao longo do muros da Radial Leste e painéis enormes em alguns prédios da COHAB. Foram vários que tiveram suas laterais cobertas de painéis de cima a baixo com imagens que lembram os 5 títulos do Brasil em Copas do Mundo. E é claro que não poderia faltar o patrocinador dessa pintura: a Brahma que também colocou sua marca nas imagens, mas ficou muito legal. 

E os ambulantes que pediram para trabalhar nas imediações saíram ganhando. Eles estavam lá, mas todos identificados e uniformizados e só vendiam produtos dos patrocinadores da FIFA, como Coca Cola, água mineral Crystal, cerveja Brahma, chocolates Garoto e assim por diante. Nada mais justo.
Desde a estação do metrô até a entrada da Arena, opções de bebidas não faltavam.
Com torcedores da Bélgica
Ao passarmos pela barreira da PM uma cordialidade que deve prevalecer daqui para frente em jogos do Corinthians no Estádio. Muito bom. 
Ao chegarmos próximos da entrada do Estádio pelo lado oeste, existia uma pequena fila do lado de fora, já que chegamos antes das 14:00 hrs.
O lado negativo é que era proibido seguir pela Radial Leste até a Estação Itaquera. Quem vinha da estação Artur Alvim era obrigado a entrar por ali.
Assim que os portões abriram, inúmeros funcionários e voluntários da FIFA de megafone em mãos anunciavam as boas vindas e orientavam a entrada do público em português, inglês e espanhol.  
Ficamos um certo tempo acompanhando os torcedores chegarem. Tiramos várias fotos com torcedores belgas e coreanos de caras pintadas e todos muito alegres e solícitos. Virou uma confraternização entre torcedores. Tudo era uma festa.
Só não ficamos mais tempo nessa união das torcidas porque o Sol estava de rachar. O céu era de um azul totalmente limpo. Perfeito para um jogo de Copa do Mundo.

Estádio
Fila para entrada
Depois de passarmos pelos detectores de metais, chegamos nas catracas, onde encostamos os ingressos em um leitor e ele liberava a entrada - bem parecido com o sistema do Bilhete Único, que é muito usado aqui na cidade de SP. Tudo muito rápido e entramos no Estádio. Placas indicativas em vários lugares para informar onde se localizam os assentos. Em certo momento que fomos conferir, um funcionário da FIFA veio saber se precisávamos de ajuda. 
A cordialidade desses voluntários foi o que me chamou muito a atenção. Parabéns. 
E não foi só nesse momento que ofereceram ajuda, mas em vários outras situações que passamos dentro do Estádio. 
Estádio ainda vazio
No caminho até as arquibancadas, notam-se granitos e mármores nas colunas que chamam muito a atenção. Nem parece um estádio brasileiro. Lanchonetes espalhadas com algumas filas, mas o atendimento era rápido. Os lanches já vinham embalados em um tipo de papel alumínio para se manterem quentes. Não cheguei a usar os banheiros, mas a Márcia disse que nos femininos havia uma fila grande. 

O gramado e as arquibancadas são um show à parte. O destaque são todos os assentos na cor branca e o campo bem próximo do locais de livre circulação dos torcedores. 
Quem quiser assistir ao jogo em pé nessa área de livre circulação também tem um visão privilegiada.
Campo bem próximo
Na verdade em qualquer setor do estádio a vista é sensacional do campo. A primeira fileira de cadeiras está a uns 5 metros da linha do campo. Nos setores mais caros os assentos das arquibancadas são almofadados. Já nas laterais e nas arquibancadas provisórias os assentos são de plásticos e retrateis.
A arquitetura do estádio é totalmente diferente do habitual e de uma simplicidade incomum. Dá pra ver que ainda faltam partes a serem cobertas, principalmente na cobertura sobre as arquibancadas provisórias. 
Dois enormes telões estão nas laterais com visibilidade muito boa também. 
Torcedores belgas
O que estragou um pouquinho foram as arquibancadas provisórias. Claro que sem elas a Copa não aconteceria no Estádio, mas deu para notar que terminaram em cima da hora. Muita coisa exposta, soldas aparentes, alguns cabos de sustentação presos no piso de concreto e algumas pessoas esbarrando neles. 
Tanto nos andares dessas arquibancadas provisórias, quanto no subsolo existiam lanchonetes onde o atendimento era super rápido. Ponto a favor. 
Os preços dos lanches e bebidas das lanchonetes não eram tão caros: $10 reais para um Cheeseburger e Hot Dogs; cervejas e refrigerantes entre $8 e 10 reais. Não poderia deixar de ter o copo comemorativo do jogo, estampado com a data e as seleções que jogaram naquele dia - esse eu levei para casa.
Já nos assentos

A visão do campo que se tem das arquibancadas provisórias não dá para reclamar. A inclinação não é tão grande e o piso parece ser um tipo de madeira ou compensado. Se localizam atras do gol e a capacidade total é de 20.000 pessoas e com muita segurança (10.000 em cada arquibancada atrás do gol). Nos momentos em que houve a "Ola" em todo o estádio, as pessoas dessas arquibancadas batiam o pé, emitindo um som muito alto. E aí pensei: se não desabar agora, não desaba nunca mais. 
Os assentos também são bem sinalizados e se chegava facilmente aos lugares marcados. 
Patrocinadores



Os patrocinadores estão com suas inúmeras estruturas provisórias e tinha de tudo: fotos com o jogador Cafu no stand da Liberty Seguros.  
Uma discoteca no stand da Budweiser. Stands enormes da Coca Cola, Banco Itaú, Kia e por aí vai. Uma verdadeira feira de patrocinadores. 

Conforme o relógio chegava próximo das 17:00 hrs os assentos já começavam a ser ocupados e o ar de um jogo de Copa do Mundo já tomava conta do ambiente. Logo entraram as bandeiras da FIFA, das seleções dos 2 países e os jogadores sob aplausos dos torcedores. Mesmo quem não é de um desses 2 países, a emoção é grande.
Mais torcedores belgas
Contagiante também é a experiência de você se sentar no mesmo lugar que está marcado no ingresso e junto de torcedores das duas seleções, bem próximos um dos outros e sem qualquer sentimento de raiva entre eles. São rivais, mas cada um torcendo à sua maneira. Tive a impressão dos belgas serem os mais simpáticos; os coreanos são mais tranquilos e torcem de forma mais tímida. Quem dera em um jogo do Timão com o Palmeiras acontecer isso. 
Durante o jogo, foi anunciado que o público presente era de pouco mais de 61.000 pessoas, mas olhando no estádio, era difícil ver cadeiras vazias. Alguns talvez estavam naquela área de livre circulação, onde iriam assistir ao jogo em pé, mas bem próximo ao gramado.

Só não encontrei em nenhum lugar do estádio o emblema do Corinthians, dizendo que ali é a futura casa do Timão. Quem sabe até poderíamos ganhar alguns torcedores do exterior. Já pensou a gente chegar perto de um Barcelona, que têm torcedores no mundo inteiro? É um sonho, mas quem sabe. 


Jogo
Estádio lotado
Não tenho um olho biônico, mas parece que eu vi o presidente da FIFA Joseph Blatter no camarote principal, já que a careca dele é bem fácil de identificar.
O jogo não foi aquilo tudo e torci é claro para a Coréia do Sul, mas os seus atacantes parecem que não queriam marcar gol.
Até chegavam na área da Bélgica, mas faltava alguém para chutar no gol. Se eles tivessem um jogador a "la Romário" quem sabe até poderiam terem feitos alguns gols. Mesmo tendo um jogador da Bélgica expulso no primeiro tempo, a Coréia do sul não soube aproveitar a superioridade numérica e acabou tomando um gol e ficou só nisso - Bélgica: 1 x 0 Coréia.

Muito legal da parte dos jogadores da Coréia do Sul ao entrar em campo e fazer uma reverencia à torcida. E não foi só aos torcedores coreanos que estavam em alguns pontos do estádio, mas a todo público. 
Os jogadores brasileiros precisam aprender isso. Eles dependem de nós e não o contrário.
Anoitecendo
Ao final do jogo, os coreanos novamente se dirigiram para os torcedores que estavam próximos ao campo e agradeceram.
Perderam o jogo, mas fizeram questão de agradecer sua torcida.

Não dá para comparar assistir uma partida de Copa do Mundo pela televisão e de dentro do estádio. É fenomenal você estar ali vendo jogadores suar a camisa pelo seu país. Deu para perceber isso nos jogadores da Coréia, que perderam o jogo, mas que saíram aplaudidos de campo.
A Bélgica, em vários momentos, tomou vaia da torcida, que era em sua maioria toda de brasileiros.


Avaliação geral
Esvaziando
Sem dúvida nenhuma essa Copa tá sendo emocionante e não dá para reclamar da organização. Acesso fácil e tranquilo aos estádios, belos gols, viradas nos minutos finais, grandes seleções indo embora e seleções consideradas fracas jogando um futebol de dar inveja.
Engraçado que alguns meses antes da Copa, vários setores da imprensa metiam o pau, dizendo que estádios não estariam terminados, haveria caos nos aeroportos, turistas seriam assaltados, problemas nos deslocamentos até os estádios.
Mas nada disso aconteceu ou a imprensa de repente resolveu não noticiar esses problemas que poderiam acontecer.
Ela está mostrando sim a confraternização entre as torcidas, a hospitalidade e a receptividade dos brasileiros, a segurança, etc....
Parece que a população em geral abraçou a Copa e entrou no espírito de confraternização. 
Até aqueles vândalos e baderneiros dos "Black Blocs" deram um tempo.
São várias as reportagens falando que torcedores estrangeiros estão achando que essa Copa é a melhor de todas.
Clique aqui e aqui e veja.
  
Telão do lado de fora
Um Jogo de Copa do Mundo é algo para poucos e com certeza esses poucos são privilegiados. 
A dificuldade para eu conseguir 2 ingressos foi muito grande e eles não eram tão caros assim, sendo que os mais baratos estavam na faixa de pouco mais de $100 reais- eu paguei por 2 ingressos $360 reais. 
Mesmo que fosse um valor bem maior que isso, com certeza eu não pensaria 2x em comprá-los.
Talvez uma outra Copa do Mundo aqui no Brasil daqui a algumas dezenas de anos e nessa hora se percebe porque inúmeros países fazem de tudo e até se corrompem para sediar um evento como esse.
São poucas as vezes em que podemos ver jogos emocionantes e com torcidas vibrantes e contagiantes. Esse é o espirito e é por isso que vale a pena assistir a pelo menos um jogo da Copa do Mundo, não importa se é do Brasil ou não.
Na estação do Metrô Itaquera

A Copa do Mundo vai passar, mas eu vou poder dizer a meus filhos e netos que estava lá em um jogo e acompanhei toda a emoção de ver um ao vivo e no meio da torcida.

Eu continuo acessando o site da FIFA todo dia, principalmente nas madrugadas para quem sabe conseguir mais ingressos e assistir a mais um jogo, não importa de quem vai jogar contra quem. Não posso deixar essa oportunidade escapar, já que para muitos, assistir a um Jogo de Copa do Mundo é um sonho.

E como dizia o nosso eterno sonhador Raul Seixas na música Prelúdio: Um sonho que se sonha só, é só um sonho que se sonha só, mas sonho que se sonha junto é realidade.

E que venham as Olimpíadas.

3 comentários:

  1. ali é cohab 1 e não cohab 2

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Falha minha.
      Qdo fiz a revisão, nem notei essa falha.
      Valeu pelo toque.

      Abcs

      Excluir