28 de janeiro de 2012

Relato: Descendo a Serra do Mar de Salesópolis até a Praia de Boiçucanga pela trilha do Ribeirão de Itu

Na década de 90 li um artigo no Jornal Folha de SP que falava de um roteiro de trekking pela Serra de Juqueriquerê (próximo a Caraguatatuba), com início no alto da serra e término na Praia de Boiçucanga (São Sebastião) em um percurso de + - 7 hrs pelo Ribeirão de Itu. 
Lembro que informações detalhadas eram escassas, só citando que a estrada de acesso se iniciava ao lado de uma Delegacia em Caraguatatuba, passando ao lado de um viaduto abandonado no alto da serra e de várias cachoeiras quase no final da caminhada, mas como era artigo de jornal lá também estava o nome da agência e o telefone. 
Sem internet na época e só com o artigo de jornal não dava para arriscar, por isso deixei para lá.

Foto ao lado: na base da Cachoeira da Pedra Lisa, já quase no final da caminhada 







Fotos dessa caminhada com imagens do Google Earth mostrando a trilha: clique aqui



Uns 10 anos depois resolvi pesquisar no Google sobre essa travessia, conhecida como Salesópolis-Boiçucanga e achei vários nomes para a estrada de acesso à trilha: Estrada do Sol, Estrada do Rio Pardo, Estrada Salesópolis-Caraguá, mas o nome mais citado era Estrada da Petrobras, sendo muito usada pelo pessoal do 4x4.
Até encontrei um croqui da trilha, mas sem as informações de onde era o início dela. 
Em um fórum de 4x4 consegui alguma coisa sobre a estrada e por isso resolvi fazer todo o trajeto de moto iniciando em Caraguá e terminando em Salesópolis, para ver se era possível vir do litoral na caminhada até o início da trilha.
Na época a estrada era relativamente conservada até o alto da serra e o trajeto do litoral até o viaduto abandonado deu por volta de 17 Km, chegando na altitude de + - 500 metros, mas existia uma longa subida que levaria 1 dia inteiro (o trajeto completo de moto até Salesópolis não foi fácil, pois peguei chuva e estrada muito precária no planalto).
No antigo site Trilha e Cia encontrei o tracklog completo dessa travessia que abrindo no Google Earth dava para ver algumas informações úteis, mas não dizia nada sobre como estava a trilha - no final do relato tem o link para download dele. 
Alguns sites de agências e blogs que comentavam essa travessia só disponibilizavam informação básica. Era aquele velho monopólio de conhecimento das trilhas que eu já tinha presenciado outras inúmeras vezes e quem faz caminhadas sabe que isso é muito comum, mas tudo bem. Já esperava isso. 
Um roteiro de bike pela Estrada da Petrobras escrito pelo famoso montanhista Sérgio Beck e publicado em uma de suas revistas continha um croqui de onde a trilha se iniciava e mesmo de posse dessas informações fui deixando para lá. Sem saber como era a trilha, achava arriscado e poderia pegar um perrengue daqueles, então fui fazer trilhas mais fáceis. 
Mas em 2011, quando finalizei a Trilha do Corisco (relato aqui) depois de várias tentativas, decidi que era a hora fazer a Salesópolis-Boiçucanga e marquei para Janeiro de 2012 para coincidir com as férias da Márcia e com isso levar junto a Sophia. 
Meu planejamento era fazer essa travessia em 2 dias e no final do segundo dia já encontrar a Márcia e a Sophia hospedados na Praia de Boiçucanga para aproveitar mais alguns dias com elas. 
Dessa forma a Márcia nos levaria de carro até o alto da serra ou um ponto próximo para depois voltar até a Praia de Boiçucanga. 

Para essa caminhada chamei o Jorge Soto (velho parceiro de trilha) que por sua vez chamou o Ricardo (um amigo dele), mas escolher a data se revelou um problema que não ia se resolver tão cedo. Seu nome: ZCAS (Zona de Convergência do Atlântico Sul). 
Resumidamente era por causa das chuvas que ocorriam quase que diariamente em SP no mês de Janeiro.
E como essa travessia do Ribeirão de Itu segue por suas margens por bom trecho, meu medo era pegar uma tromba dágua no rio e com isso ficar isolado ou até algo bem mais grave acontecer, por isso tive que adiar essa trip algumas vezes e com isso a Márcia desistiu de ir comigo.
Estava decidido a fazer em um fim de semana ou dia de semana mesmo, mas comecei a ficar preocupado porque já passava da metade do mês e a previsão para o litoral sempre apontava chuvas. 
Será que teria de adiar novamente a trip? Mas uma boa notícia: no dia 20 de Janeiro o tempo iria dar uma melhorada e com isso não pensei 2x, marcando a travessia para os dias 20 e 21 (uma Sexta-feira e um Sábado) e mesmo sendo dia de semana o Jorge e o Ricardo confirmaram.
Então o roteiro era esse: sairíamos de Sampa pela manhã para estar na Rodoviária de Caraguá no máximo até as 13:00 hrs e de lá pegar um táxi que nos deixasse o mais próximo possível do alto da serra.
De lá seguiríamos pela Estrada da Petrobras até o início da trilha onde íamos acampar e no dia seguinte descer a Serra até a Praia de Boiçucanga.