31 de outubro de 2010

Relato: Na busca da Trilha do Corisco encontrei a Trilha do Telégrafo - Paraty/RJ

Aqui é a continuação da caminhada anterior que tinha feito em direção à Cachoeira da Água Branca, em Ubatuba (relato aqui). 
Era a minha 3ª vez nessa Trilha do Corisco, (as outras duas foram em 1998 - relato aqui e 2008 - relato aqui).
Agora em Outubro de 2010 eu tentaria fazer a Trilha do Corisco entrando por Paraty e saindo em Ubatuba, já que na primeira vez fiz no sentido Ubatuba-Paraty.


Foto ao lado: Seguindo por um pequeno trecho da Trilha do Telégrafo e pouco antes de chegar em um antigo Rancho no meio do nada



Fotos + carta topográfica + imagens do Google Earth com trilha plotada: clique aqui




Cachoeira da Agua Branca
Voltei da Cachoeira da Água Branca, em Ubatuba, por volta das 17:00 hrs direto para o Camping Super Star, mas a partir dali teria uma complicada logística de transporte para chegar em Paraty.
Pouco depois das 17h30min estava pegando o circular para o centro de Ubatuba e minha intenção era ao chegar lá e logo em seguida pegar um outro circular que me deixasse na divisa Ubatuba-Paraty onde seguiria para a Rodoviária de Paraty em outro circular e nessa Rodoviária pegaria o último circular para o bairro do Corisco. Bem complicado hein, pois além de torcer para que os horários batessem, teria de contar que haveria ônibus naquele horário.
Mas as coisas começaram a dar errado quando cheguei na Rodoviária de Ubatuba pouco depois das 18:00 hrs. Lá fiquei sabendo que o circular Divisa Ubatuba-Paraty só sairia as 19h40min, mas tinha o problema de que no final da linha não haveria mais o circular em direção à Paraty naquele horário.
Me orientaram a pegar o ônibus da empresa São José que vinha de Taubaté e seguia para Paraty; o problema agora era o horário – 20h40min e com isso tive que esperar por mais de 2 hrs na Rodoviária.
Com muito tempo para aguardar, fui até uma padaria próxima comer alguma coisa e ficar assistindo TV, mas ela fechou as 20:00 hrs e ao sair encontrei um jornal em cima de uma mesa e me deixaram levá-lo de graça. Como já imaginava que o ônibus de Taubaté iria se atrasar, teria de  ler alguma coisa para passar o tempo. 
Temendo não encontrar em Paraty o circular para o Bairro do Corisco, liguei na Rodoviária de lá e fui informado que o último sairia às 22h30min e se o ônibus da Viação São José não atrasasse ou quebrasse pelo caminho, talvez ainda chegasse em Paraty a tempo.
O problema é que chega 20h30min e nada do ônibus de Taubaté chegar; 20h40min e nada também. 20h50min .............também não.
Já estava ficando nervoso, pois já 21:00 hrs e nenhum ônibus, mas as 21h15min ele chegou e eu contando os minutos. 
Pelo menos não demorou muito e logo saiu em direção à Paraty, mas como desgraça pouca é bobagem, eis que no Posto da Polícia Rodoviária Federal, junto à Praia do Felix, o ônibus é parado para revista.
Pensei comigo: f....., se encontrarem alguma droga entre as bagagens é aí que a gente não sai tão cedo dali e já eram mais de 21h45min. Depois de algumas perguntas e revistas nas bagagens onde não encontraram nada, nos liberaram para seguir viagem.

29 de outubro de 2010

Relato: Cachoeira da Água Branca – Ubatuba/SP

Férias em casa e sem ter o que fazer é sempre um tédio, né?
Até tentei fazer com que a Márcia e a Sophia fossem comigo para o litoral norte de SP e Paraty, mas em vão (não dá para faltar no trabalho durante a semana).
Não sobrou alternativa, senão o de ir no meio da semana mesmo.
O Sandro, que já tinha feito outras trilhas comigo até se mostrou interessado, mas devidos à compromissos profissionais, tive que ir sozinho. 
Minha intenção era chegar até a Cachoeira da Água Branca em Ubatuba e depois fazer a travessia de Paraty até Ubatuba pela Trilha do Corisco.
A Cachoeira da Água Branca ia ser minha primeira vez e só estava levando algumas coordenadas de um tracklog, que consegui no site do Renato Galani.

Foto ao lado: na base da Cachoeira da Água Branca e suas várias quedas



Fotos dessa caminhada: clique aqui



Um uma rápida busca no Google se encontra inúmeros sites com informações da Cachoeira da Água Branca de Ubatuba e alguns deles citam ela com 120 metros, 180 metros e outros com quase 300 metros. 
Agências de ecoturi$$$mo também costumam fazer essa caminhada, mas cobram um valor bem alto, saindo de SP ou de Ubatuba. 
No site do Renato Galani (Aventura a Dois): clique aqui - encontrei o tracklog da trilha e depois de trocar alguns e-mails com ele e pegar algumas dicas, segui para Ubatuba.
(Se nao encontrar o tracklog no site dele, no final desse relato coloquei outro link para baixar o arquivo).
Na Quinta-feira do dia 21 de Outubro de 2010 embarquei no Terminal Tietê em direção a Ubatuba e já quase no final da tarde desci em frente ao Camping Super Star, na Praia da Lagoinha. 
O lugar possui uma localização privilegiada, pois fica junto da areia da praia e ao lado da Rodovia Rio-Santos e como já tinha ficado nesse camping quando fiz a Trilha das 7 Praias e a do Saco das Bananas (relato aqui), sabia onde poderia jantar naquela noite. 
Seguindo pela Rio-Santos na direção de Caraguatatuba, na Praia de Maranduba, existem várias opções onde é possível se alimentar. Junto a um posto de gasolina jantei em um pequeno restaurante que não é tão caro e depois retornei ao camping pela praia e fui dormir ouvindo as ondas quebrarem na areia. É um relaxamento para os ouvidos e rapidamente peguei no sono.
Na Sexta pela manhã (22/10) combinei com o Sr. José (dono do camping) minha intenção de chegar na Cachoeira da Água Branca e só voltar no final da tarde para depois seguir em direção à Paraty.
Antes de sair, paguei o valor do camping e fui para a Rodovia pegar o circular Maranduba - via Sertão da Quina que me deixasse o mais próximo possível do início da trilha.

30 de julho de 2010

Relato: Travessia Rui Braga – da parte alta do Parque Nacional do Itatiaia até a parte baixa

Aqui é o relato da continuação da Travessia da Serra Negra.
Tínhamos terminado junto ao antigo Alsene e correu tudo como planejado (relato aqui).
Estávamos com a Autorização para a travessia da Rui Braga para fazê-la em 2 dias, pernoitando em algum dos Abrigos Massenas ou Macieiras, apesar de que a Rui Braga dá para ser feita em apenas 1 dia de caminhada.
Pegamos dias nublados, mas para sorte nossa, só estava chovendo durante a noite.



Foto acima, vale do Rio Campo Belo visto depois de alguns minutos do Abrigo Massenas




Fotos: clique aqui

Tracklog para GPS dessa travessia: clique aqui






Chegando na Portaria do Parque Nacional
A Quarta-feira, 14 de Julho de 2010 amanheceu com tempo nublado, mas pelo menos sem chuvas e nesse dia iríamos fazer a Travessia Rui Braga em 2 dias, já que a Márcia estava nos aguardando no dia seguinte na parte baixa do PNI.
Na travessia da Serra Negra ficamos sem sinal de celular por 2 dias e só contávamos que na Rui Braga conseguíssemos para dar sinal de vida aos nossos familiares. 
Mochilas prontas, pouco depois das 09:00 hrs seguimos para a portaria do P.N.I. (posto Marcão) e lá entregamos a Autorização da travessia e pagamos a taxa de $11,00. 
O lugar estava deserto e parece que éramos os únicos a fazer alguma travessia no Parque.
Pela estrada do Parque

O funcionário só demorou um pouco para nos liberar porque na solicitação que eu enviei, não tinha colocado que iriamos pernoitar no Parque e depois de acionar o pessoal da Administração do P.N.I. pelo rádio, recebemos a autorização para fazer a travessia. 
Estávamos na altitude de pouco mais 2400 metros e nosso plano era caminhar até o Abrigo Macieiras, na altitude de 1850 metros. 
O total da caminhada, se fossemos direto até o final da trilha, junto ao Piscinão de Maromba seria de uns 30 Km, mas era muito para apenas 1 dia (até dá para fazer, já que boa parte da trilha é sempre descendo, mas tem de entrar bem cedo no Parque).
Abrigo Rebouças
Mochilas nas costas de novo, saímos da Portaria as 09h50min e seguimos em direção ao Rebouças pela estrada, onde chegamos as 10h20min e daqui só víamos uma neblina espessa sobre o Agulhas Negras.
Passamos direto e continuando pela estrada que na verdade é a Rodovia BR 485 (coisas do Pres. Getúlio Vargas) que em alguns pontos ainda apresentam trechos de asfalto em bom estado de conservação, mas perde um pouco da magia, já que é uma aberração construir uma estrada em um lugar como esse. 
Tendo o Rio Campo Belo do lado esquerdo, logo passamos pela Cachoeira das Flores e as 10h50min chegamos ao final da estrada e na bifurcação para o Pico das Prateleiras. 

25 de julho de 2010

Relato: Travessia da Serra Negra – De Maromba até a parte alta do Parque Nacional do Itatiaia

Por muitos anos qualquer travessia no PNI (Parque Nacional do Itatiaia) era proibida; muita gente fazia, mas sempre na surdina.
Para muitos, a travessia da Serra Negra era a única opção, já que não passava pelo interior do Parque Nacional e contornava ele pelo norte. Eu também fiz essa travessia em 2003 quando estava fazendo a Transmantiqueira - relato aqui.
Mas em 2007 o PNI reabriu a Travessia Rui Braga que liga a parte alta à parte baixa e oficializou a Serra Negra, mas seguindo pelo trecho: Rebouças - Cachoeira do Aiuruoca - Serra Negra - Mauá.
E com isso, reles mortais como nós pudemos realizar travessias com autorização do Parque e com isso no mês de Julho de 2010 marquei com o Sandro (do Fórum Mochileiros) fazermos as 2 travessias juntas e aproveitando para subir também ao topo da Pedra Selada, em Visconde de Mauá.
E com quase 1 mês de antecedência solicitei ao P.N.I. a Autorização para fazer a Rui Braga.


Foto acima, trecho inicial da travessia antes de chegar na crista




Fotos da Pedra Selada: Clique aqui

Fotos da Travessia Serra Negra: Clique aqui

Tracklog para GPS Travessia da Serra Negra: Clique aqui



Pedra Selada ao fundo
Éramos eu, a Márcia, a Sophia e o Sandro e saímos de Sampa em direção à Visconde de Mauá e enquanto eu o Sandro saímos de Maromba na caminhada em direção ao P.N.I. pela travessia da Serra Negra e depois emendar com a Rui Braga, a Márcia e a Sophia iam ficar hospedadas em Maromba por 4 dias para depois nos pegar no final da travessia da Rui Braga, já na parte baixa do P.N.I.
Nosso plano era chegar no Domingo, 11 de Julho em Maromba a tempo de ainda assistir a final da Copa do Mundo, mas como o técnico Dunga não ajudou, assistir Espanha x Holanda não estava nos planos. A prioridade agora era subir a Pedra Selada só para dar uma aquecida nos músculos.
Chegando na Pedra Selada
Por volta das 07:00 hrs saímos de Sampa e com algumas paradas pela estrada, chegamos em Visconde de Mauá pouco antes das 13:00 hrs e logo fomos procurar um lugar para comer.
Saciados da fome, seguimos por uns 12 Km por uma estrada de terra, sentido leste em direção à base da Pedra Selada, margeando o Rio Preto e pouco depois das 14:00 hrs cruzamos o pequeno bairro de Campo Alegre e de lá já era possível avistar a Pedra Selada em todo o seu esplendor à frente e antes das 14h30min chegamos na bifurcação que leva à sede da Fazenda. 
Aqui não tem como errar, pois existe até uma placa indicativa da Pedra Selada. 

17 de março de 2010

Dicas: Itu/SP e Salto/SP - Um fim de semana qualquer

Aproveitando que estou publicando arquivos de antigas trips, esse é de Fevereiro de 2010 que eu fiz com a Márcia e a Sophia, quando ela tinha pouco mais de 6 meses. 
Como estávamos de férias fomos curtir um passeio pelas cidades de Itu e Salto, se hospedando em um Hotel Fazenda com direito a muito lazer e visitando algumas atrações turísticas dessas 2 cidades.
Em Itu conhecemos a Estrada Parque, que liga Cabreúva a Itu, a Fazenda do Chocolate, Parque do Varvito e mais outras atrações e na cidade de Salto visitamos o Parque Lavras e o Complexo da Cachoeira do Rio Tietê.


Na foto acima as várias camadas da rocha que é a marca registrada do Parque do Varvito, em Itu 




Fotos dos lugares que visitamos nessas 2 cidades: clique aqui





Chalés da Fazenda/Camping das Pedras
Localizada a cerca de 100 Km de São Paulo, Itu é considerada a cidade dos exageros, mas também é conhecida como a terra dos campings e pesqueiros e muitos desses lugares dispõe de várias formas de hospedagem (campings, cabanas, chalés, apartamentos) com uma grande infraestrutura de lazer.
E dessa maneira procuramos reunir um passeio pelos pontos turísticos de Itu e Salto, aproveitando as áreas de lazer do lugar onde nós se hospedamos.
Já a cidade de Salto se localiza a apenas uns 10 Km de Itu e possui algumas atrações turísticas que podem ser conhecidas em 1 dia, mas por dispormos de pouco tempo, só visitamos algumas delas.
Saímos de Sampa pela Rodovia Castelo Branco até Barueri e na saída do Km 26B pegamos o início da Estrada dos Romeiros, cruzando as cidades de Santana do Parnaíba, Pirapora do Bom Jesus, Cabreúva e finalizando em Itu.
É uma estrada bem sinuosa, mas tem a vantagem de possuir pouco transito e boa pavimentação. 
Alguns trechos seguem margeando o Rio Tietê e cruzando a Serra do Japi com vasta área de mata atlântica. 
Abaixo o roteiro que fizemos pelas 2 cidades, bem como opções de hospedagem e alimentação.