20 de novembro de 2007

Relato: 2ª Subida ao Pico do Baepi e Pico São Sebastião - Ilhabela/SP

Aqui é um relato da subida desses dois picos, localizados em Ilhabela. 
Estavam comigo a Márcia, o Jorge Soto e o Eric. Os 2 picos fizemos em 3 dias (01,02 e 03 de Novembro de 2007).
Tivemos sorte porque pegamos dias de muita chuva, mas que só ocorriam durante a noite. 
Durante o dia a caminhada era sempre com Sol castigando.
O acesso ao Pico do Baepi é por trilha bem demarcada e sem problemas de navegação. 
Já o acesso ao Pico São Sebastião é bem mais difícil. 
Em vários trechos a trilha se fechou, por isso não recomendo para qualquer pessoa. Era a minha segunda vez no Pico do Baepi e no Pico do São Sebastião, sendo que na primeira vez do São Sebastião tivemos alguns problemas por não achar a continuação da trilha junto a uma enorme rocha, quase já chegando no topo. O relato é esse aqui.


Foto acima, no topo do Pico do São Sebastião mostrando o canal que separa Ilhabela do continente.




Fotos da subida desse dois picos + imagens do Google Earth: Clique aqui

Tracklog para GPS da trilha do Pico do Baepi: Clique aqui



Alguns dias antes do feriado de Finados, o Jorge Soto me p
ediu algumas informações sobre o Pico de São Sebastião, em Ilhabela e como eu já estive lá no início de 2000, disse que não sabia como estava a trilha, mas que era fácil encontrá-la. 
Nessa época eu tinha me perdido a cerca de 300 mts antes do topo, mas que tinha encontrado a trilha para subida depois de uma procura incessante.
Passei algumas informações de como chegar no início da trilha desse pico e do Baepi (esse já tinha ido 2x). 
Depois disso o Jorge mandou o convite para uma lista de trekking, da qual faço parte e eu disse que até iria, mas que dispunha somente da Quinta, Sexta e Sábado (dias 01, 02 e 03), pois no Domingo eu teria de trabalhar. 
Ficamos aguardando outras pessoas confirmarem a subida para o dia 02 e só o Eric e a Márcia aceitaram. Ficou assim então: sairíamos na Quinta pela manhã, subindo o Pico do Baepi no mesmo dia e no dia seguinte fazer o Pico do São Sebastião. Era meio loucura subir um pico de pouco mais de 1000 metros em cerca de 5 horas direto e no dia seguinte fazer a outra subida do São Sebastião com altitude de + - 1350 mts em apenas 1 dia também. 
E isso sem saber como estava a trilha. Eu e o Jorge aguentamos qualquer parada, então topamos na hora. 
O desafio maior seria da Márcia, que no final até que se comportou bem e o Eric, que iria nos acompanhar. E lá fomos nós.

25 de setembro de 2007

Relato: Fim de semana nas cachoeiras de Bueno Brandão/MG - Algumas dicas e informações úteis

A maior atração da cidade são as cachoeiras, então eu vou colocar algumas das que a gente visitou em 2007 e um pequeno roteiro com dicas para quem quiser visitar o lugar. 
Coloquei também as coordenadas geográficas das cachoeiras para facilitar a visualização no Google Earth ou em um GPS.
Ficamos somente um fim de semana e pegamos dias de muito Sol.




Foto ao lado: Na Cachoeira do Luís







Todas as fotos dessa viagem : Clique  aqui

Tracklog para GPS com todo o roteiro das cachoeiras por onde passamos: clique aqui





Na divisa SP/MG
# O melhor acesso para chegar na cidade saindo de São Paulo é seguir pela Fernão Dias até a saída para Bragança Paulista, passando por dentro da cidade e de lá pegar a estrada que segue para o Circuito das Águas (Socorro, Águas de Lindoia, etc..). 

# Logo depois que passar o portal de Socorro continue pela mesma rodovia por uns 6 Kms e pouco antes de chegar ao Centro de Eventos, ao lado da Rodovia, vire a direita no trevo em direção a Bueno Brandão (tem uma placa indicando BAIRRO LAVRAS e BUENO BRANDÃO). De Socorro a Bueno Brandão são + - 30 km  e quase todo o trecho está asfaltado – pouco Kms antes de chegar a Bueno Brandão o trecho ainda é de terra.  

# A maior parte dos acessos as cachoeiras são mal indicados (existe uma ou outra placa indicando algumas), pois são inúmeras bifurcações nas estradas de acesso e se perder não deve ser muito difícil, mas pelo menos os moradores são bem prestativos e sempre procuram ajudar. 
Paisagem da região

# Existe uma trilha chamada de Trilha da Cascavel (que na verdade é uma estrada), que passa por cerca de 7 cachoeiras: Ciganos, Cascavel,  Davi l e Davi ll, Félix, Machado ll, entre outras. 
O problema é que ela é muito extensa e a caminhada muitas vezes é feita por estradas de terra. O ideal é fazer esse circuito de carro.

# O acesso a algumas cachoeiras é cobrado, mas os valores são baixos.

# Para se conhecer as cachoeiras, estar de carro é fundamental, pois todas elas são muito longe uma das outras. 
As estradas são todas de terra e se estiver chovendo forte, em muitos lugares não se consegue chegar. 

# Um colega meu (o Raffa) também fez esse roteiro. Relato: 

http://raffanocaminho.blogspot.com.br/2011/12/bueno-brandao-mg.html

# A cidade possui mais de 30 cachoeiras. Além das cachoeiras que visitamos, no site da Prefeitura estão listadas outras
www.buenobrandao.mg.gov.br/novosite/





Base da Cachoeira Machado II
# Cachoeiras que visitamos:

31 de agosto de 2007

Relato: Travessia pelos penhascos e platôs da Serra Geral e da Serra da Anta Gorda/SC

Esse é um relato da travessia que eu, a Márcia e o Jorge Soto fizemos nos dias 23, 24, 25 e 26 de Agosto de 2007 em um trecho da Serra Geral e outro trecho da Serra da Anta Gorda, próximo ao município de Urubici, em SC, passando ao lado de paredões, penhascos e inúmeros platôs. 
Pegamos dias de muito Sol nos primeiros dias e quase no final da travessia o tempo fechou completamente e com isso tivemos que mudar nossos planos.
Uma parte dessa caminhada também  é conhecida como Travessia Campo dos Padres.



Na foto acima, os paredões da Serra Geral tomado pela neblina logo pela manhã


Fotos dessa caminhada: clique aqui

Tracklog para GPS: clique aqui



Sempre me faltou uma longa travessia pela Região Sul do país.
Pico do Paraná que eu já fiz não chega a contar muito porque é uma trilha que só leva até o topo do pico e volta. 
Existe sim uma grande travessia que pega os principais picos da Serra do Ibitiraquire, mas que ainda não tive a oportunidade de conhecer (ainda volto nessa região para fazer essa caminhada).
Já tinha lido os roteiros sobre Aparados da Serra escrito pelo montanhista Sérgio Beck e ele ia ser nossa referencia para essa caminhada. 
Ele dividiu essa caminhada em vários trechos e o que nos interessava era a primeira parte, que saia de Alfredo Wagner e terminava em Urubici.
Nosso ônibus no Terminal Tietê em SP
Marcamos inicialmente para a segunda semana de Agosto (saindo em uma Quarta-feira – no meio da semana - dia 15/08), mas devido a um contratempo, tivemos que adiar em 1 semana.
Iríamos só eu e ele, mas com a decisão da Márcia ir também, resolvemos sair na Quarta à noite (22/08). 
Dia marcado, todos nós 3 se encontramos na Rodoviária do Tietê e de lá seguiríamos para Lages (SC). 
O horário do ônibus era das 19h40min com chegada prevista por volta das 07:00 hrs.
A viagem foi tranquila e com várias poltronas vazias, pudemos até escolher onde sentar e dormir, mas foi difícil. 
Eu só cochilei algumas vezes. Era difícil pegar no sono. 
A previsão do tempo dizia que Quinta, Sexta e Sábado o tempo estaria com Sol. Só ficaria nublado no Sábado a tarde e no Domingo e para nossa infelicidade a previsão acertou. 
Rodoviaria de Lages
Chegamos em Lages pouco antes das 07h30min. 
Depois de arrumar nossas mochilas e comer alguma coisa em uma lanchonete fora da Rodoviária, voltamos para pegar o nosso ônibus.
O ônibus seguia em direção a Alfredo Wagner, que nos deixaria em um local onde iniciaríamos a caminhada (se tivéssemos chegado cerca de 1 hora antes na Rodoviária de Lages, até teríamos pego o ônibus que segue para Bom Retiro e lá era só pegar uma carona de uns 10 minutos – coisa que não era difícil). 
O ônibus para Alfredo Wagner saiu as 09h30min, passou por Bom Retiro e depois de uns 10 minutos pedimos para o motorista parar (o local onde descemos é conhecido como Lomba Alta – tem um placa bem na Rodovia indicando).

25 de junho de 2007

Relato: Caminho da Fé - 429 Km em 15 dias de caminhada

Este é um relato dessa caminhada saindo de Tambaú (SP) até a Basílica de Aparecida com algumas dicas, informações e depoimentos em vídeo que fui fazendo ao longo do percurso. 
Iniciei sozinho a caminhada no dia 27 de Maio e fui terminar no dia 10 de Junho de 2007. Passei no meio de plantações de café, cana de açúcar, trilhas na mata, trilhos de uma linha férrea e no asfalto.
Atualmente o Caminho sai de 3 lugares diferentes e sempre estão acrescentando mais cidades. Seguindo sempre as setas amarelas, o Caminho passa por mais de 20 cidades e vilas. Até a cidade de Paraisópolis fui caminhando sozinho e a partir dali continuei a caminhada com a Márcia. Ao longo do Caminho encontrei outros peregrinos, alguns de bike e outros caminhando. 


Foto acima no Portal do Caminho da Fé, poucos minutos depois de iniciar a caminhada em Tambaú




Dividi as fotos por cada dia de caminhada e ao longo do relato coloquei os links.

Para quem usa GPS, aqui está o tracklog de toda essa caminhada: 
http://pt.wikiloc.com/wikiloc/view.do?id=945495

No final de cada trecho eu também fazia uma filmagem em vídeo relatando sobre os problemas que passei, como foi o percurso e uma descrição de como é a pousada. O tempo médio de cada vídeo ficou entre 5 a 9 minutos. Aqui estão todos os vídeos:
www.youtube.com/view_play_list?p=BEB6909BA9522A51




Tem um trecho de uma música do Gilberto Gil que diz: “Andá com fé eu vou que a fé não costuma faiá”. Acho que reflete bem sobre o que eu passei em toda essa caminhada, que me fez reunir forças para caminhar 429 Km.
Os primeiros dias foram os mais difíceis (muitas dores musculares). Começou a melhorar lá pelo 4º dia, quando caminhei 50 Km em 15 horas direto. 
Na maioria dos trechos eu saia por volta das 08:00 hrs e chegava na outra cidade no final de tarde. Alguns trechos cheguei já escurecendo.

Abaixo um pequeno resumo dessa caminhada:

31 de janeiro de 2007

Relato: Subindo a Serra do Mar de Angra dos Reis/RJ à Lídice/RJ pela linha férrea e topo da Pedra Chata

Esse é um relato da caminhada de Angra dos Reis (RJ) até Lídice pela linha do trem, subindo a Serra do Mar e de lá até o topo da Pedra Chata e depois retornando para Angra dos Reis pela trilha do Sertão do Sinfrônio, realizada de 25 a 28 de Janeiro de 2007, juntamente com a Márcia, o Jorge Soto e a Luciana até um certo trecho. 
Pegamos trechos com muito Sol e alguns períodos de chuva, mas que não atrapalharam a caminhada.


Na foto ao lado estamos em uma piscina natural junto ao um rio e a linha férrea no alto


As fotos estão divididas em 2 álbuns:

Caminhada pela linha férrea + trilha plotada em carta topográfica: clique aqui

Trilha da Pedra Chata: clique aqui

Tracklog para GPS da caminhada pela linha férrea e trilha da Pedra Chata: clique aqui




Caminhar por linha de trem e conhecer lugares onde nunca tinha ido. Era isso o que queria fazer nas minhas férias e já que a Márcia conseguiu emendar o feriado do dia 25/Jan, lá fomos nós. Depois de ter lido uma matéria do Sérgio Beck (famoso montanhista) em sua revista sobre uma caminhada pela linha férrea na região de Angra dos Reis aí que me deixou mais animado. Quem resolveu embarcar nessa trip foram o Jorge Soto e a Luciana. Compramos a passagem para o horário das 22h40min do dia 24 de Janeiro (véspera de feriado do Aniversário de SP) em direção a Angra dos Reis, nosso ponto de partida. No horário combinado encontramos o Jorge e a Luciana na Rodoviária do Tietê. 
Por algum problema da empresa nosso ônibus só foi sair lá pelas 23h15min, mas deu para dormir um pouco e as 06h30min chegamos em Angra dos Reis. 
Linha férrea perto da Rodoviária
Agora era achar a linha do trem que sobe para Lídice, mas antes tínhamos de passar em alguma padaria para tomar um café da manhã. 
Pergunta daqui, pergunta dali e encontramos uma próxima da linha do trem. Era pequena, mas vendia um pão que era uma delícia. 
A linha que sobe para Lídice é a que sai do porto de Angra dos Reis e passa próximo da Rodoviária. Não é difícil encontrá-la. 
Na dúvida é só perguntar para qualquer morador, que eles indicam. 
Por volta das 08h30min iniciamos nossa caminhada pela linha do trem. 

30 de janeiro de 2007

Relato: Salvador/Bahia - Algumas dicas e informações úteis

Aqui vão algumas dicas para quem pretende visitar Salvador/BA e arredores. A minha experiência foi de apenas 1 semana, quando eu fui para lá com a Márcia em Janeiro de 2007, mas dei uma atualizada nas informações em 2013.
Fui por uma agência de viagem, com passagens de avião e hospedagem incluídas. 
Ainda visitamos outros lugares próximos de Salvador.


Foto ao lado, o cais de Salvador com o Mercado Modelo em primeiro plano





Fotos


Salvador, Ilha de Itaparica e praias próximas: clique aqui

Morro de São Paulo: clique aqui

Praia do Forte (Projeto TAMAR): clique aqui



Pelourinho
O roteiro que eu e a Márcia fizemos foi conhecer a parte histórica da cidade (Pelourinho), algumas praias de Salvador, Ilha de Itaparica, Morro de São Paulo e a Praia do Forte (Projeto TAMAR). Até queríamos ter ido a outros lugares, mas 1 semana foi pouco.

# Uma questão que nos preocupava era a segurança, mas nos locais turisticos não tivemos problemas. Ao fazer o tour no Pelourinho um Policial Militar nos acompanhava a todo momento. 

# Achei também um povo muito prestativo e hospitaleiro. 
Se você perguntar para qualquer morador da cidade em busca de alguma informação, ele não para de falar. 
É capaz que ele conte a vida da família dele toda para você. E sempre procura te ajudar no que for preciso.   



Alimentação

Parte baixa da cidade
# Fuja de alguns restaurantes da área do centro, principalmente antes da região do Pelourinho, próximos a Praça da Sé (alguns self-service). Não me pareceram muito higiênicos. Nas ruas do Pelourinho até existem alguns restaurantes mais sofisticados, mas não cheguei a comer em nenhum. Fica para uma outra viagem.

# Para quem se acostumou a comer em Shoppings Centers, é uma boa opção: além dos famosos fast foods, existem também alguns restaurantes de comidas típicas. O Shopping da Barra é um deles e fica pertinho da Praia do Farol da Barra e da imagem de Jesus Cristo. Cerca de 100 metros da praia. 


Centro histórico
# Próximo ao Hotel Othon, na Praia de Ondina fica o Speed Lanches. Funciona 24 horas e com serviço de primeira. Têm pratos quentes com arroz e carnes, vários tipos de lanches e todos bem baratos. A comida é muito boa e os lanches nem se fala. Recomendo. 

# Quem gosta de acarajé ou pratos típicos baianos, a melhor opção é a Casa da Dinha do Acarajé. Ela possui um restaurante no Largo de Santana, em frente a Praia do Rio Vermelho. Tá sempre lotado. Em alguns dias da semana ela prepara porções e pratos típicos. 
Não deixe de conferir.

# Uma coisa muita barata em Salvador é a água de coco. Em todo lugar você encontra aqueles carrinhos. Aproveite.




Passeios: