27 de fevereiro de 2000

Relato: No topo do Pico de São Sebastião - Ilhabela/SP

Tudo começou em Novembro de 99 em um trabalho de campo da Geografia/USP que fizemos em Ilhabela.
Era um trabalho extraclasse que foi feito em 2 dias sobre a topografia e a cobertura vegetativa da Ilha. 
Como era dentro do PE, tivemos a ajuda de um funcionário do Parque chamado Viny.


Foto ao lado no topo do Pico São Sebastião com vista para nordeste, com toda a parte urbana da Ilha e o continente à esquerda






Fotos e croquis dessa trilha: clique aqui

Tracklog para GPS da trilha para o Pico do Baepi: clique aqui




Pico Baepi ao fundo
Na ilha, um dos lugares que o Viny nos levou foi no Pico do Baepi, mas como boa parte da galera era sedentária só chegamos até a base, pouco depois que entramos na mata fechada.
Conversando com ele sobre os pontos mais altos da ilha onde dava para chegar, me disse que além do Baepi, outro pico que dá para se chegar no topo era o Pico do São Sebastião (o maior de toda Ilha). 
Ali já me criou a ideia de subir o pico, mas não tinha noção nenhuma onde a trilha começava, então perguntei algumas coisas básicas sobre a trilha e voltei para SP com o intuito de retornar uma outra vez.
Cruzando o canal de balsa
Voltei alguns dias depois para a Ilha para conhecer o início da trilha e falar com o Viny sobre a autorização para se fazer a trilha (o pessoal do parque proíbe que se faça trilhas na Ilha sem autorização).
Essa autorização na verdade é uma forma do parque não se responsabilizar por eventuais acidentes ou qualquer problema que aconteça com alguém na trilha. Nada de mais.
Depois de ter conhecido onde se iniciava a trilha e obtido algumas outras dicas, agora era agendar a data para a trip e marquei com o Marcos (velho conhecido de faculdade) para fazermos em Fevereiro de 2000, já que as aulas na Faculdade ainda não tinham se iniciado. Saímos de Sampa em um Sábado (19/02) no ônibus das 12:00 hrs (só não saímos mais cedo por causa de compromisso do Marcos) e chegamos na balsa por volta das 15:00 hrs.
Aqui só foi atravessar o canal e chegar em Ilhabela e no ponto final de algumas linhas de ônibus junto da balsa pegamos o circular Borrifos.
Logo depois que o circular passou a Praia do Portinho, ficamos atentos até chegar a uma bifurcação à esquerda com placas indicando Chalé Recanto dos Pássaros e Cachoeira dos 3 Tombos. 
Aqui existe um portal de concreto e poucos mts à frente a entrada para a Praia da Feiticeira, à direita. Chegamos aqui por volta das 17:00 hrs e ainda nos restava uma longa e exaustiva subida até o local onde íamos acampar.
Vista para o Canal no topo da Cachoeira 3 Tombos
Desprezando sempre as bifurcações, a estrada asfaltada segue sempre subindo e chega em um momento onde as casas e construções acabam (na subida existe uma placa indicando cachoeira à direita – não siga por ela, pois essa fica bem mais abaixo).
Como não estávamos com pressa, sempre íamos parando ao longo da subida.
O Sol começava a ir embora, mas ainda não tínhamos chegado no local do acampamento e assim que pegamos um trecho de asfalto tomado pelo mato ficamos atentos para uma bifurcação à esquerda bem íngreme (não chegamos a usar a lanterna porque eu sabia o local onde estava a bifurcação). 
Eu e o Marcos 
O trecho é asfaltado e no final da subida chegamos no ponto onde montamos a barraca e logo que começou a escurecer, preparamos o nosso jantar com a água que tínhamos trazido.(a altitude aqui é pouco mais de 200 mts). 
A noite foi tranquila e por volta das 07h30min do dia seguinte (20/02 - Domingo) desmontamos a barraca e seguimos em direção ao topo.
Voltando para estrada tomada pelo mato, seguimos até o seu final, onde existe uma trilha bem visível à esquerda que leva até a Cachoeira 3 Tombos. 
Parada para descanso
A trilha é bem íngreme e cheia de raízes e uns 10 minutos depois já estávamos no topo da Cachoeira. 
Alguns mts antes de chegar nas raízes é possível seguir na direção da base da cachoeira, à direita. Aqui pegamos água para o dia, já que o Viny tinha me dito que só encontraríamos o precioso liquido em 2 lugares: na altitude de + - 800 mts, próximo da trilha à esquerda e outro ponto do outro lado do topo, descendo no sentido sudeste por uma trilha de alguns minutos.
Saindo do topo da cachoeira, a trilha segue à esquerda do rio e mais alguns mts entramos na mata fechada, chegando em uma árvore com uma enorme raiz.
Aqui tem uma indicação marcada com tinta vermelha de F4 P2 com a seta para a direita (não siga por aqui, provavelmente leva a algumas cachoeiras e poções mais acima). 
Uns 5 mts antes dessa árvore existe um vestígio de trilha que sobe à esquerda, por uma encosta bem inclinada e lá em cima no final dela, a trilha segue para a direita e daqui para frente não haverá bifurcações e tendo faro para trilhas, não terá problemas.




Enorme pedrão na trilha, onde acampamos


Seguindo a trilha pela mata fechada vamos ganhando altitude e em certos trechos tivemos que nos arrastar para evitar bambuzais cheio de espinhos. 
O calor no interior da mata é muito forte e por causa do aclive bem acentuado íamos parando por vários momentos para recuperar o fôlego. 
Depois de pouco mais de 3 horas de trilha (+ - 10h30min) e por volta da altitude de 800 mts passamos ao lado de uma área descampada da trilha. Para pegar agua é só seguir para a esquerda por uns 50 mts e embaixo de algumas pedras existe uma pequena nascente. 
O local é um bom ponto de bivaque. 
Eu e o Marcos paramos aqui e resolvemos comer alguma coisa e depois de descansados, voltamos para a trilha e mais uns 50 mts à frente chegamos a uma área de vegetação baixa muito abundante.
Aqui a trilha se perde, mas procurando em algumas árvores é possível ver algumas antigas fitas amarradas e foi o que encontramos um pouco à esquerda. 
Ficamos sabendo que esse é um trecho onde muita gente se perde, por isso assim que chegar aqui, siga reto e um pouco para esquerda.
Seguindo em frente, encontramos outras fitas amarradas em uma ou outra árvore e com isso tivemos a certeza de que estávamos na trilha certa, mas logo chegamos em um trecho de bambuzal com espinhos e aqui não foi fácil passar.
Topo logo ali
Próximo da altitude de 1050 mts chegamos pela esquerda de uma enorme pedra (era por volta das 13:00 hrs) que pode ser usada como abrigo.
O problema aqui é que não sabíamos por onde a trilha seguia e tentamos de todo jeito seguir para esquerda da pedra, mas em qualquer caminho que tomávamos, logo a trilha se fechava. 
Eu e o Marcos resolvemos então subir ao topo da pedra para de lá procurar qual caminho seguir, pois como a mata é muito fechada, não tínhamos nenhum noção se estávamos na direção certa. 
Tentamos subir até o topo da enorme pedra pela esquerda, mas era impossível, por ser muito íngreme e só conseguimos chegar lá pelo lado direito.
Aqui já tínhamos o visual do topo do São Sebastião visto bem a sul e parecia que estava bem próximo (a altitude do São Sebastião é de 1375 mts, segundo o IBGE).
Não estamos tão longe do topo
Como já passava das 15:00 hrs, nós dois chegamos a conclusão que era melhor a gente acampar por aqui e só no dia seguinte descansados e com a cabeça mais fria procurar novamente a continuação da trilha (nessas horas o cansaço e o stress faz com que tomemos atitudes erradas, por isso de trilha para aquele dia, já era o suficiente).
Montamos nossa barraca bem embaixo da enorme pedra em um local plano (aqui é possível montar 4 ou 5 barracas protegidas).
Dentro da barraca e depois de um pequeno lanche, o Marcos até pensou em retornar dali mesmo no dia seguinte, mas depois de todo trabalho que tivemos para chegar ali, desistir não estava nos meus planos.
Quando anoiteceu fizemos nosso jantar fora da barraca e depois caímos no sono rapidamente, talvez pelo cansaço do dia.
Topo do Pico São Sebastião
Na Segunda-feira pela manhã acordei por volta das 07:00 hrs e fui procurar alguns vestígios de trilha, agora pelo lado direito da pedra, de quem vem da cachoeira, já que pelo lado esquerdo não existia mesmo.
Conforme fui contornando a pedra, encontrei uma fita amarrada em uma árvore e continuei seguindo em frente até encontrar outras que orientavam a seguir sentido sul.
Nesse ponto a trilha seguia pela encosta com um imenso vale de mata fechada do lado direito e uns 10 minutos depois a trilha já aparecia bem mais demarcada (daqui para frente não tinha mais erro, era só seguir em frente subindo).
Voltei para a barraca e encontrei o Marcos ainda dormindo e depois de tê-lo avisado da trilha, ficamos bem mais tranquilos.
Café da manhã tomado e barraca desmontada, fomos sair da enorme pedra por volta das 09h30min, seguindo pela trilha que tínhamos encontrado e passado o trecho da encosta à direita da pedra, a trilha toma rumo sul por uma subida bem íngreme e aqui tivemos que subir segurando nas raízes e nos bambus.
Eu e o Marcos no topo
Depois de curto trecho no plano começamos a descer um pequeno vale, orientado por algumas fitas presas nas árvores. Esse trecho é quase todo feito por entre o bambuzal e em vários momentos tivemos de seguir arrastando.
Mais um pequeno trecho de subida e logo chegamos em algumas pedras e contornando elas fomos chegar em uma clareira, que marca o topo do Pico do São Sebastião, onde chegamos pouco antes das 11:00 hrs.
Existem aqui algumas pedras e subindo em uma delas tivemos uma vista privilegiada de toda a Ilha. 
Vista para o Canal
Ao sul/sudeste vemos a Praia do Bonete e a nordeste a região do centro de Ilhabela e ao norte todo o canal de São Sebastião com inúmeras praias do continente. 
A altitude aqui é pouco mais de 1370 mts e o único relevo que impede a visão é o Pico do Papagaio a oeste (o pico é maior que o São Sebastião com toda certeza). Com isso o SS não é o ponto culminante da Ilha. Precisam fazer uma correção na carta topográfica. 
O problema é que o acesso até lá é bem mais difícil que o do SS.  Além da clareira no topo, existem também algumas partes planas descendo um pouco mais ao sul e foi onde montamos nossa barraca.
Canal de São Sebastião com Ilhabela
Segundo o Viny, encontraríamos água descendo rumo sudeste por uns 10 minutos passando por várias pedras e alguns abrigos e foi onde encontrei, numa espécie de gruta, em um buraco por entre algumas pedras o tão precioso líquido.
Por volta das 12:00 hrs e depois de ter montado a barraca ficamos apreciando o visual no topo por um bom tempo e depois de vários clics ainda fui dar uma explorada nas encostas, mas pela mata fechada e pelos inúmeros bambuzais era complicado e pelo que pude perceber a única trilha de acesso é a que gente tinha vindo.
Nesse dia resolvemos fazer um almoço porque a comida ia sobrar, já que tínhamos chegado no nosso objetivo. 
O almoço foi por volta das 14:00 hrs e o jantar bem no início da noite.
Tivemos um sono tranqüilo novamente e por volta das 07:00 hrs de Terça-feira já estávamos de pé e com a barraca desmontada.
Fim da trilha
Não cheguei a pegar o nascer do Sol e as 07h30min iniciamos a descida pela trilha, que foi bem mais rápida. Só é complicado mesmo nos trechos em que o bambuzal toma conta da trilha.
Pouco depois das 11:00 hrs chegamos na Cachoeira 3 Tombos onde ficamos por um bom tempo e resolvemos tomar um banho de cachoeira, mesmo com a água bem gelada.
Depois disso, continuamos a descida e as 14:00 hrs chegamos na avenida principal onde pegamos o circular em direção a balsa.
Já em São Sebastião seguimos para a Rodoviária onde conseguimos embarcar por volta das 16:00 hrs em direção a Sampa.








Algumas dicas e informações úteis (Atualizado Abril/2013)

# Alguns anos depois voltei novamente ao Pico São Sebastião e pegamos trilha se fechando. Foi bem difícil chegar ao topo. O relato é esse:
http://trilhasetrips.blogspot.com.br/2013/04/relato-2-subida-ao-pico-do-baepi-e-pico.html

# O Bruno Vaps, que subiu até o topo do Pico São Sebastião, me passou o tracklog para GPS, criado por ele. Tá em arquivo kmz e pode ajudar quem queira subir até o topo.
Download do arquivo: clique aqui.

# A trilha do Pico SS é extremamente difícil  pois em vários trechos o mato tomou conta e é preciso ter faro de trilha, além do problema dela ser totalmente em mata fechada. 
A falta de água também pode ser um empecilho, por isso só é recomendável fazer essa caminhada em grupo ou quem tem boas noções de navegação e experiencia de trilha em mata fechada.

# Para fazer a trilha do SS recomendo que contate o pessoal do PE de Ilhabela para solicitar autorização e que eles saibam que tem gente fazendo a trilha. Até para evitar problemas futuros. O Viny é um funcionário do PE que pode ajudar. A trilha do Pico do Baepi é bem tranquila, por isso não é necessário um guia ou que se avise o Parque. 

# No topo do São Sebastião existe uma clareira que suporta umas 3 ou 4 barracas. Poucos mts antes dá para acampar em outros pontos planos também.

# Os melhores lugares para acampar na trilha do São Sebastião são: no inicio, pouco antes de chegar na cachoeira; na altitude de + - 1050 mts, embaixo de uma enorme pedra e no topo do Pico e áreas próximas, onde existem alguns descampados abertos pela galera.

# Junto ao topo da Cachoeira 3 Tombos é complicado acampar, já que não existe lugares planos. O ideal é ficar no final da antiga estrada, junto ao início da trilha.

# Água pode ser encontrada em 3 pontos na trilha do Pico SS: na Cachoeira 3 Tombos; outro ponto na altitude de + - 800 mts à esquerda da trilha em pouca quantidade e o último ponto descendo do topo rumo sudeste por uns 10 minutos e passando por algumas pedras que servem de bivaque. No álbum de fotos tem um croqui de como chegar nesse ponto de água.

# Até dá para fazer a subida da trilha do São Sebastião em um único dia (creio em + - 8 hrs), mas subindo e descendo no mesmo dia é muito puxado, por isso não recomendo.

# Existe também um pequeno problema na trilha do São Sebastião de só haver fitas amarradas nas árvores no trecho final. No início da trilha essas fitas são raras.

# Um par de luvas é essencial, já que nos trechos de bambuzais existem inúmeros espinhos que podem machucar.

# Na Cachoeira 3 Tombos existem alguns grampos fixados na rocha. Regularmente algumas agências fazem rapel no local. Para quem gosta é uma boa opção.

# Ilhabela é um lugar que possui uma quantidade maior de animais peçonhentos em comparação com a Serra do Mar. Talvez por ser uma ilha, esses animais tenham se reproduzido mais facilmente. Por isso muito cuidado nas trilhas.

# Um outra praga que está na Ilha aos milhões são os borrachudos. Repelente é um item obrigatório. 

# A subida do Pico do Baepi leva em média 4 horas com algumas paradas, porém a trilha é extremamente íngreme no trecho final. Lembra muito a do Pico do Corcovado de Ubatuba, pela declividade, porém com a mata bem mais fechada. 

Nenhum comentário:

Postar um comentário