25 de agosto de 2000

Relato: A clássica travessia do Parque Nacional da Serra dos Órgãos

Por causa de uma longa greve na Faculdade onde estudava (Geografia/USP) no ano de 2000, resolvi fazer uma caminhada, já que eu estava de férias no trabalho. Chamei o Marcos, o Sérgio e o Ronaldo que por sua vez chamou sua namorada. Todos eram colegas de Faculdade e estavam sem fazer nada também. Marcamos para Agosto daquele ano e com a pretensão de fazer em 3 ou 4 dias, mas não conhecíamos nada sobre o lugar. Era perigoso sim, mas tínhamos uma certa experiencia em trilhas.

Na foto acima, local do 2º pernoite, no Morro do Dinossauro de frente para o Garrafão



Fotos, mapas e croquis: clique aqui

Tracklog para GPS de toda essa travessia: clique aqui


O Marcos e o Sérgio eram velhos conhecidos de faculdade (até tínhamos feito algumas trilhas juntos) e o Ronaldo eu tinha conhecido naquele semestre, mas parecia que estava disposto a caminhar por vários dias, assim como a sua namorada (no final não aconteceu isso).
Na Rodoviaria do Tietê
Peguei algumas anotações do livro Caminhos da Aventura do Sérgio Beck (famoso montanhista) e também da extinta Revista Família Aventura e sem necessidade de reserva para a travessia junto do Parque Nacional, lá fomos nós. Na noite do dia 12 de Agosto todos nós 5 (eu, o Marcos, o Sérgio, o Ronaldo e a namorada dele - não consigo lembrar o nome dela) nos encontramos na Rodoviária do Tietê para embarcar em direção a Petrópolis no horário das 23:00 hrs. O tempo até que estava relativamente bom e a viagem foi tranquila. 
Na madrugada o ônibus fez uma parada no Shopping Graal em Resende e pouco antes das 06:00 hrs estávamos chegando na Rodoviária de Petrópolis. Só foi descer do ônibus e já fomos atrás do circular que seguia para o Terminal Correas e ele até que não demorou muito para sair.
O ônibus seguiu quase que vazio, mas foi lotando ao longo do caminho e como era Domingo encontramos muita gente que estava voltando da balada e conversando com alguns passageiros, ficamos sabendo que no dia anterior tinha chovido muito durante a noite e dava para ver que em vários pontos da serra a neblina encobria tudo.
Subindo o Vale do Bonfim
O percurso até o Terminal Correas foi rápido e uns 30 minutos depois já estávamos tomando um outro circular, agora para o Bairro do Bonfim que nos deixaria no vale que dá acesso a portaria do Parque Nacional.
Logo que descemos no ponto final, já arrumamos nossas mochilas e preparamos para começar a subida do vale até a portaria.
Esse trecho é todo feito subindo por uma estrada de terra e conforme íamos subindo, a neblina ao redor dos picos ia se dispersando prometendo um dia de muito Sol.

29 de abril de 2000

Relato: Problemas na trilha da Cachoeira da Usina do Capivari - Serra do Mar/SP

Acho que na época que estudamos em faculdades sempre aparecem as melhores trips e eu dei sorte em muitas.
Fiz várias caminhadas com colegas de sala de aula e uma delas foi bem peculiar, pois tivemos que usar alguns termos que aprendemos em Geografia, mas não para ajudar na caminhada e sim para nos livrar de uma pequena enrascada.
Depois do início das aulas em 2000 o Sandro (colega de sala) me convidou para uma trip a uma cachoeira na Serra do Mar no feriado de Tiradentes.
A Cachoeira era a da Usina do Capivari e está localizada próxima da linha férrea da E.F. Sorocabana que desce para o litoral. 
O feriado caiu em uma sexta-feira, dia 21 de Abril e era perfeito, porque dava para gente fazer em 2 ou 3 dias sem correrias.
O grande problema eram os guardas ferroviários que ficavam durante o dia na Estação Evangelista de Souza revistando mochilas e barrando alguns.
Eu nem me preocupava já que não levava nada de ilegal e achava que eles só apreendiam drogas. Ledo engano.




Foto acima, na base da Cachoeira da Usina do Capivari







Fotos dessa caminhada: clique aqui

Tracklog para GPS da caminhada até a cachoeira: clique aqui



Estávamos em 5 (eu, Sandro, Moto e mais 2 colegas que eram também da Geografia/USP) e marcamos para sair na Quinta-feira a noite e passar pela estação Evangelista de Souza no início da madrugada.
Alguns iriam se encontrar no Terminal Santo Amaro, onde o ônibus saia para o Bairro da Barragem (atualmente essa linha de ônibus sai do Terminal Parelheiros) e outros iriam pegar o ônibus já em Interlagos.
Nossa intenção era pegar um dos últimos ônibus em direção ao Bairro e assim foi.
Pouco depois das 00:00 hrs já estávamos saindo do Terminal Santo Amaro e ao longo do trajeto o ônibus se enchia cada vez mais. Engraçado que muitos passageiros também estavam de mochilas cargueiras e com certeza iriam fazer o mesmo percurso que a gente e conversando com alguns, fico sabendo que um ou outro iria fazer a travessia até Itanhaém pela trilha do Rio Branquinho, muito frequentada na época.
O Bairro da Barragem é quase zona rural e bem longe do centro de SP.
O ponto final do ônibus é em uma rua totalmente escura e depois do desembarque, pegamos as lanternas e agora era mochila nas costas e pé na estrada, seguindo pela avenida em direção da linha férrea.

27 de fevereiro de 2000

Relato: No topo do Pico de São Sebastião - Ilhabela/SP

Tudo começou em Novembro de 99 em um trabalho de campo da Geografia/USP que fizemos em Ilhabela.
Era um trabalho extraclasse que foi feito em 2 dias sobre a topografia e a cobertura vegetativa da Ilha. 
Como era dentro do PE, tivemos a ajuda de um funcionário do Parque chamado Viny.


Foto ao lado no topo do Pico São Sebastião com vista para nordeste, com toda a parte urbana da Ilha e o continente à esquerda






Fotos e croquis dessa trilha: clique aqui

Tracklog para GPS da trilha para o Pico do Baepi: clique aqui




Pico Baepi ao fundo
Na ilha, um dos lugares que o Viny nos levou foi no Pico do Baepi, mas como boa parte da galera era sedentária só chegamos até a base, pouco depois que entramos na mata fechada.
Conversando com ele sobre os pontos mais altos da ilha onde dava para chegar, me disse que além do Baepi, outro pico que dá para se chegar no topo era o Pico do São Sebastião (o maior de toda Ilha). 
Ali já me criou a ideia de subir o pico, mas não tinha noção nenhuma onde a trilha começava, então perguntei algumas coisas básicas sobre a trilha e voltei para SP com o intuito de retornar uma outra vez.
Cruzando o canal de balsa
Voltei alguns dias depois para a Ilha para conhecer o início da trilha e falar com o Viny sobre a autorização para se fazer a trilha (o pessoal do parque proíbe que se faça trilhas na Ilha sem autorização).
Essa autorização na verdade é uma forma do parque não se responsabilizar por eventuais acidentes ou qualquer problema que aconteça com alguém na trilha. Nada de mais.
Depois de ter conhecido onde se iniciava a trilha e obtido algumas outras dicas, agora era agendar a data para a trip e marquei com o Marcos (velho conhecido de faculdade) para fazermos em Fevereiro de 2000, já que as aulas na Faculdade ainda não tinham se iniciado. Saímos de Sampa em um Sábado (19/02) no ônibus das 12:00 hrs (só não saímos mais cedo por causa de compromisso do Marcos) e chegamos na balsa por volta das 15:00 hrs.
Aqui só foi atravessar o canal e chegar em Ilhabela e no ponto final de algumas linhas de ônibus junto da balsa pegamos o circular Borrifos.
Logo depois que o circular passou a Praia do Portinho, ficamos atentos até chegar a uma bifurcação à esquerda com placas indicando Chalé Recanto dos Pássaros e Cachoeira dos 3 Tombos.